Decisão do Fed reduz ganhos gerados por Trump e bolsas de Nova Iorque – Jornal do Comércio

Os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta quarta-feira (31) em alta, à medida que os investidores digeriram balanços corporativos e o discurso sobre o Estado da União do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No entanto, a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) minou grande parte dos ganhos na reta final dos negócios.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,28%, aos 26.149,39 pontos; o S&P 500 avançou 0,05%, aos 2.823,81 pontos; o Nasdaq ganhou 0,12%, aos 7.411,48 pontos. Nesse cenário, o índice de volatilidade da CBOE (VIX) recuou 8,45%, aos 13,54 pontos.

Após um ano combativo, Trump adotou um tom conciliador em seu primeiro discurso sobre o Estado da União na madrugada de terça para quarta-feira. Em sua fala, o presidente abriu espaço para um acordo bipartidário de imigração e não fez críticas acentuadas à oposição democrata e a acordos comerciais dos EUA. Esse pano de fundo abriu espaço para que os índices acionários americanos apresentassem ganhos no início do pregão. O movimento altista teve impulso, ainda, de balanços corporativos. A Boeing apresentou lucro bastante acima do previsto por analistas, fazendo com que suas ações saltassem 4,93% nesta quarta-feira.

Após a decisão de política monetária do Fed, no entanto, os mercados acionários ampliaram os ganhos pontualmente, mas passaram a perder força e, em alguns momentos, os três indicadores operaram no terreno negativo. Em seu comunicado, o banco central comentou que irá manter o ritmo gradualista de aperto, mas se mostrou mais otimista quanto à inflação, que, para os dirigentes, deve voltar a subir neste ano e a atingir a meta de 2% no médio prazo.

Na avaliação do economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, Ian Shepherdson, o tom adotado na declaração do Fed foi “otimista” ao mostrar o panorama da economia nos EUA. Para ele, a primeira coletiva de imprensa de Jerome Powell, na decisão de março, deve mostrar uma continuidade da abordagem vista no comunicado desta quarta-feira “ao menos por um tempo”. Shepherdson também espera uma elevação nas taxas em março, assim como os agentes do mercado: os futuros dos Fed funds, compilados pelo CME Group, mostraram que as chances de alta dos juros em março passou de 78,4% para 83,5%.

Já a Capital Economics acredita que, como o comunicado foi considerado levemente “hawkish”, o Fed aponta para um cenário de aperto mais acelerado, com a possibilidade de quatro elevações neste ano sobre a mesa. Para o economista sênior para EUA da consultoria, Michael Pearce, o documento do Fed “adiciona peso” à possibilidade de quatro subidas neste ano. Entre os bancos, o J.P.Morgan subiu 0,49%, o Wells Fargo ganhou 0,77% e o Bank of America teve alta de 0,38%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!