Demora na exploração do pré-sal prejudicou o País, diz a ANP – Jornal do Comércio

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, disse nesta quarta-feira que a produção de petróleo no pré-sal superou a do pós-sal pela primeira vez em dezembro. Isso ocorreu a despeito da demora na exploração do pré-sal, que prejudicou a sociedade brasileira, na avaliação dele. A primeira rodada foi realizada em 2013, e a segunda e a terceira só ocorreram no ano passado.

Oddone participa da cerimônia de assinatura dos contratos da áreas leiloadas na segunda e terceira rodadas de pré-sal, realizadas em outubro, no Palácio do Planalto. Para junho, estão previstas a realização da quarta rodada e, “possivelmente”, o leilão de áreas excedentes da cessão onerosa.

Oddone disse que a produção brasileira pode atingir 5,5 milhões de barris por dia na próxima década, o que deve elevar a arrecadação de impostos em R$ 100 bilhões. “Esse é o caminho que devemos perseguir para que os recursos do pré-sal beneficiem a sociedade brasileira”, disse.

As outorgas arrecadadas somaram mais de R$ 6,15 bilhões. Na ocasião do leilão, as rodadas contaram com a participação da Petrobras e de grandes multinacionais do setor, como Shell, Exxon, Total, BP, Repsol Sinopec, Statoil e Petrogal. Até então, as empresas privadas atuavam exclusivamente como sócias da Petrobras no projeto de Libra, na Bacia de Santos.

Das oito áreas oferecidas, duas ficaram sem lances – Tartaruga Verde, na Bacia de Campos, e Pau Brasil, na Bacia de Santos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!