Juro zero no Fies é “engodo”, diz fundador do Ser Educacional – Exame

No modelo antigo do Fies, o juro cobrado dos alunos era fixo, em taxa que recorrentemente ficou abaixo da inflação, ou seja, o juro real era negativo

Por Estadão Conteúdo

access_time 31 jan 2018, 18h08

O fundador do grupo Ser Educacional, Janguiê Diniz, criticou nesta quarta-feira, 31, o novo modelo do programa de financiamento estudantil, o Fies. Durante evento realizado pelo Credit Suisse em São Paulo, o empresário disse achar “um engodo” a fórmula adotada no novo Fies que prega “juro zero”, mas prevê que a mensalidade será corrigida com a inflação.

“O Fies está sendo tratado como um programa exclusivamente financeiro e fiscal em vez de um programa social”, disse. “O Fies 1 não cobra juros, mas cobra correção monetária, o que eu acho um engodo”, acrescentou.

No modelo antigo do Fies, o juro cobrado dos alunos era fixo, em taxa que recorrentemente ficou abaixo da inflação, ou seja, o juro real era negativo. O novo Fies, que entra em vigor este ano, traz 100 mil vagas na modalidade Fies 1, que tem um modelo mais próximo do programa anterior.

Nas modalidades Fies 2 e Fies 3, está prevista a participação de instituições financeiras privadas. Diniz avaliou, no entanto, que o financiamento “exclusivamente bancário” funciona como qualquer outro empréstimo.

Embora tenha feito críticas às mudanças no Fies, Diniz fez elogios ao ministro da Educação, Mendonça Filho. Ele disse que o ministro é “trabalhador” e parabenizou sobretudo iniciativas recentes no campo regulatório, como a flexibilização de regras para abertura de novas vagas e lançamento de polos de ensino a distância.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!