Moreira Franco diz que só 44% são contra Reforma da Previdência – Jornal do Comércio

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, usou o Twitter para antecipar o resultado de uma pesquisa Ibope, contratada pela Presidência da República, para avaliar a aceitação da reforma da Previdência pela população. “Pesquisa Ibope, concluída ontem (segunda-feira), mostra pela primeira vez que menos da metade dos entrevistados (44%) se dizem contrários à reforma da Previdência proposta pelo presidente Michel Temer”, escreveu Moreira. Ele classificou a informação como “boa notícia”. A pesquisa ainda não foi divulgada na íntegra.

Segundo o ministro, a pesquisa – feita entre 25 e 29 de janeiro – mostra ainda que 63% dos entrevistados concordam que servidores públicos e funcionários privados devem ter as mesmas regras previdenciárias. “Ou seja: igualdade de direitos para todos. Seguimos em frente na luta contra privilégios, pelo bem do Brasil e dos brasileiros”, afirmou.

Moreira Franco disse ainda que as pessoas “estão se convencendo, cada vez mais, de que a reforma acabará com os privilégios de quem ganha muito e trabalha pouco, além de garantir investimentos em saúde e educação”.

Já o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, voltou a defender a reforma em palestra no fim da manhã desta terça-feira, no Rio. Segundo Dyogo, a proposta do governo é gradual e deve ser aprovada logo. Ao concluir sua fala, após reafirmar a disposição do governo em votar a reforma em fevereiro e dizer que o Planalto já conta com 270 votos a favor, Dyogo destacou que deixar o assunto para 2019 é pior. “Não aprovar a reforma este ano torna mais difícil aprovar ano que vem.”

Antes, o ministro destacou as qualidades da proposta feita pelo governo. “A reforma não é dura é gradual, com transição longa, preservando os direitos”, disse Dyogo Oliveira, que também citou números.

Segundo ele, o Brasil gasta 57% da despesa do governo federal com a Previdência, contra apenas 2% com investimentos. A média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 20% dos gastos, afirmou Oliveira. “Estamos gastando com o passado e nada com o futuro”, disse o ministro, ressaltando que o tamanho dos gastos previdenciários piora a cada ano. “Em 2010, era menos de 50% (da despesa federal)”, disse.

Apesar disso, o tema é difícil de ser comunicado à sociedade, segundo o ministro. Nas redes sociais, por exemplo, “há um certo isolamento dos grupos”, que impede a transmissão da mensagem de que a reforma e importante.

Dyogo Oliveira rebateu ainda críticas como o fato de vários membros do governo terem se aposentado precocemente (“ninguém pode ser acusado de cumprir a lei”, disse) e o fato de o Planalto ter deixado de lado o sistema previdenciário dos militares. “A reforma deles não precisa ser constitucional, pode ser por lei ordinária. Pode ser enfrentada com mais facilidade, tão logo seja enfrentado o problema geral”, afirmou, repetindo a posição do governo sobre esse tema.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!