Plataforma Revolucionária de Dados Médicos Informa os Planos do seu ICO – Portal do Bitcoin

Estes dias, se você se mudar para um estado ou cidade diferente e ir ver um médico, é altamente provável que você precise esperar um pouco para que seus dados médicos sejam transferidos – desde que a informação não seja armazenada em um banco de dados especializado incompatível. Além disso, você pode não saber exatamente o que está incluído na informação. E imagine se você se mudar para outro país! Em breve, no entanto, a situação pode mudar graças aos ambiciosos planos da MediChain, uma plataforma médica de big-data baseada no blockchain da Ethereum. A empresa divulgou recentemente mais detalhes sobre seu ICO, com a pré-venda de Tokens MediChain (MCU) programada para começar em 5 de fevereiro de 2018.

Usando a tecnologia blockchain subjacente à sua plataforma, a empresa pretende revolucionar a indústria de registros médicos eletrônicos, em primeiro lugar, permitindo que os pacientes assumam o controle. Eles serão capazes de se apropriar de seus registros médicos, armazenando a informação fora do blockchain na localização geográfica de sua escolha. Além disso, eles poderão dar acesso a médicos e especialistas localizados em qualquer lugar do mundo.

Os pacientes também terão a capacidade de limitar os dados disponíveis aos médicos e hospitais, enquanto o maior nível de anonimato e privacidade é garantido. E a beleza do projeto? Os serviços na plataforma são fornecidos de forma gratuita aos pacientes e aos médicos. Além da economia de token na plataforma, os fluxos de receita virão em parte de empresas farmacêuticas e pesquisadores digitalizando dados anônimos do paciente, que são projetados para serem significativos. De acordo com um relatório publicado pela Transparency Market Research em 2015, o mercado de registros médicos eletrônicos foi avaliado em mais de US$ 15 bilhões em 2013 e prevê que ele exceda US$ 23 bilhões em 2020.

A “caderneta de cuidados de saúde” da MediChain também aborda preocupações de segurança que surgiram após os ataques cibernéticos no Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido e os registros médicos detidos pela Associação Internacional de Federações de Atletismo, em 2017. Pacientes e também médicos e hospitais, inserem informações em uma nuvem compatível, que se torna parte do ecossistema MediChain. A tecnologia blockchain do projeto rege estritamente o uso e o anonimato, simplifica a troca segura de registros médicos e protege informações confidenciais de ataques maliciosos. Regras específicas podem ser adicionadas ao protocolo, agregando valor para todas as partes envolvidas, de pacientes, médicos e hospitais, a empresas farmacêuticas, pesquisadores e seguradoras.

E um dos principais objetivos do próximo ICO é reunir todos esses players, como o CEO da MediChain, o Dr. Mark Baker, observa: “Embora desejemos atingir nossos objetivos financeiros, nosso principal objetivo é criar uma comunidade de usuários interessados. Esperamos, desta forma, facilitar o intercâmbio de informações entre pacientes e prestadores de cuidados de saúde, empresas farmacêuticas e seguradoras para impulsionar o nosso ecossistema MediChain. Queremos melhorar radicalmente os cuidados de saúde e contribuir para a erradicação de doenças, uma das razões pelas quais estamos reservando tokens para pesquisas. Também queremos iniciar o processo envolvendo todos os detentores de token o mais rápido possível”.

Neste outono, 6,5 milhões de MCUs serão distribuídos em pré-venda e 40 milhões de MCUs durante a venda principal.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!