Setor turístico prevê aumento de 20% de norte-americanos no Rio com novo visto – Jornal do Comércio

Os governos federal e do Rio de Janeiro assinaram hoje (31) dois acordos de cooperação para o repasse de recursos para centros de pesquisa no estado, entre eles cinco centros nacionais de equipamentos multiusuários na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Fluminense (UFF), PUC-RJ, Inmetro e no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas.

Os laboratórios devem receber os recursos de 2018 a 2022 da Financiadora de Estudos e Projetos e da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj. Ao todo, estão previstos R$ 25 milhões.

Os acordos foram assinados pelo ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, e o governador Luiz Fernando Pezão.

Em cinco anos, devem ser destinados ainda R$ 100 milhões para 19 institutos nacionais de ciência e tecnologia no estado do Rio de Janeiro. Outro acordo prevê que, em três anos, R$ 24 milhões serão repassados para a implementação do Programa de Núcleos de Excelência (Pronex).

O presidente da Faperj, Ricardo Vieiralves de Castro, que fez a abertura do evento, disse que “investir em ciência é afirmação de soberania, possibilidade de investir em bem-estar e um ato de humanidade”. E disse esperar que o evento seja um “rito de passagem”, uma vez que o setor foi afetado de forma dura pela crise enfrentada pelo estado.

Ao discursar no evento, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, pediu desculpas aos pesquisadores por transtornos e constrangimentos causados por atrasos no pagamento de bolsas e repasses para pesquisas. Pezão disse que não tem a intenção de afastar o governo dos pesquisadores e que considera que o estado precisa da academia como nunca.

“Peço desculpas a todos. Longe de mim querer atrasar uma bolsa, querer atrasar um repasse ou querer fazer que a gente perdesse cientistas ou pesquisadores. Peço desculpas pelos constrangimentos e transtornos”.

O governador voltou a destacar as dificuldades financeiras do estado, que chegou a perder 26% da arrecadação com a crise na Petrobras, a queda do barril de petróleo e o agravamento do cenário econômico em todo o país. “O estado quase foi à falência”, disse.

Ao receber uma das 348 bolsas outorgadas pelo programa Cientista do Nosso Estado, a professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Elizabeth Macedo afirmou que não podia deixar de mencionar os problemas enfrentados nos últimos anos, apesar de o dia ser de festa. E defendeu que o modelo de pesquisa no país depende especialmente das universidades públicas e agências de fomento para funcionar e criticou o corte no orçamento do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações em 2017.

“Não podemos calar quando o financiamento da universidade e da ciência e tecnologia está em risco”, disse, acrescentando que “a redução de 19% do orçamento federal de 2018 em ciência e tecnologia vai nos cobrar em um futuro breve um preço muito alto, em termos econômicos, e principalmente no que tange às vidas humanas e nas condições em que podem existir”.

O ministro Gilberto Kassab disse que o ministério está em posição mais confortável que outras pastas, que chegaram a ter cortes de 30% a 50%.

“A nossa situação orçamentária é difícil, como todos, mas o nosso processo de recuperação é melhor do que nas outras áreas. Comparando o nosso ministério com os outros, a nossa situação é bem mais confortável”, disse o ministro, que defendeu que a luta pela ciência deve ser “suprapartidária”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!