Assinados seis contratos para exploração do pré-sal – Jornal do Comércio

O governo federal assinou, nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto, os contratos de concessão de áreas do pré-sal leiloadas em outubro do ano passado. Em seu discurso, o presidente Michel Temer afirmou que os contratos renderão investimentos para a sociedade.

“Os leilões de outubro foram os primeiros do pré-sal que registraram ágio a favor da União, e tudo isso significa uma maior contrapartida para a sociedade. São mais recursos para saúde, educação, para os serviços que os brasileiros tanto precisam”, disse o presidente.

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, destacou a geração de empregos com os novos contratos. “Estamos falando de milhares de empregos, alguns milhões em investimento. Precisamos, sim, aproveitar dessa riqueza que o Brasil foi abençoado. Entre o leilão e a exploração se levam seis, sete anos, mas o povo brasileiro vai comemorar, muito em breve, os milhares de empregos que o País tanto precisa”. Segundo cálculos da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro), a construção de uma plataforma de exploração de óleo e gás, por exemplo, gera 68 mil empregos diretos e indiretos.

Os dois leilões de áreas do polígono do pré-sal das bacias de Santos e Campos, constantes da 2ª e 3ª rodadas, arrecadaram R$ 6,15 bilhões em bônus, com a venda dos 6 dos 8 blocos ofertados – o equivalente a 75% de toda a área levada a leilão. De acordo com o governo, cerca de R$ 100 bilhões serão investidos no Brasil, a partir de agora, pelos consórcios vencedores.

O leilão desses blocos de pré-sal é reflexo de mudanças regulatórias na área de óleo e gás. Em novembro de 2016, Temer sancionou uma lei que desobrigou a Petrobras de participar de todos os consórcios do pré-sal.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, atribuiu os números conquistados no leilão ao fim do monopólio da estatal na exploração do pré-sal. “O significado dessas assinaturas é voltar a permitir que o País se beneficie de uma indústria que estava praticamente morrendo. Hoje, assinamos seis contratos. Se a lei anterior prevalecesse, seriam três contratos, portanto, fazendo uma aproximação grosseira, seria metade dos empregos, das encomendas da indústria nacional, dos impostos, ou seja, um enorme prejuízo para o País”. Antes da mudança na lei, a exploração deveria, necessariamente, contar com pelo menos 30% de participação da Petrobras. 

A produção de petróleo no Brasil subiu 4% em 2017 e a de gás, 6%, informou, nesta quarta-feira, 31, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A produção de petróleo aumentou para 2,622 milhões de barris por dia e a de gás natural, para média de 110 milhões de barris diários.

Em dezembro, a produção total do pré-sal ultrapassou, pela primeira vez, a do pós-sal, registrando 50,7% do total produzido naquele mês. Segundo a ANP, em dezembro de 2017, a produção total de petróleo ficou em 2,612 milhões de barris por dia e a de gás natural, em 113 milhões de metros cúbicos, totalizando 3,325 milhões de barris de óleo equivalente em dezembro de 2017.

De acordo com o boletim da ANP, em dezembro, a Petrobras registrou produção total de 2,53 milhões de barris de óleo equivalente, sendo 2,004 milhões de b/d de petróleo e 82,5 milhões de metros cúbicos de gás natural. A segunda colocada em produção por concessionária foi a Shell, com 326,1 mil barris diários de petróleo e 12,1 milhões de metros cúbicos diários de gás natural, totalizando 402,3 mil barris de óleo equivalente. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!