Indústria de máquinas recua 2,9% em 2017 – Jornal do Comércio

Balanço divulgado nesta quarta-feira, pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), mostra que o faturamento do setor caiu 2,9% no ano passado. No total, as fábricas de máquinas faturaram R$ 67,14 bilhões com exportações e vendas internas. O resultado reflete a queda de 7% registrada nas vendas domésticas, cujo desempenho negativo foi parcialmente compensado pelo crescimento de 16,6% das exportações, que chegaram a US$ 9,09 bilhões.

As importações de máquinas no Brasil recuaram 17,2% no ano passado, em um total de US$ 12,77 bilhões, o que levou a uma queda de 51,7% no déficit da balança comercial do setor. O saldo negativo do ano passado nas trocas comerciais foi de US$ 3,68 bilhões.

No total, o consumo de máquinas e equipamentos no País, termômetro dos investimentos das empresas nas linhas de produção, encolheu 19,3% em 2017, para R$ 84,88 bilhões. O setor terminou o ano passado empregando 289,6 mil pessoas. A ocupação média por mês foi de 291 mil trabalhadores, o que corresponde a uma queda de 4,5% em relação a 2016.

Só em dezembro, o faturamento das fábricas de máquinas, de R$ 5,4 bilhões, caiu 0,6% na comparação com o mesmo período de 2016, mas subiu 0,9% em relação a novembro. As exportações do mês passado, que somaram US$ 930,2 milhões, subiram 27,5% no comparativo interanual e 16,3% na comparação mensal.

Já a entrada de máquinas importadas recuou 5,2% frente a dezembro de 2016, para US$ 1,06 bilhão. Em relação a novembro, houve queda de 2,6% nas importações de máquinas. Em dezembro, o consumo de máquinas no País totalizou R$ 6,32 bilhões, 13,9% abaixo do mesmo período de 2016. Frente a novembro, o consumo de bens de capital recuou 7,1% no mês passado. Segundo a Abimaq, a utilização da capacidade instalada nas fábricas de máquinas chegou a 74,9% em dezembro, acima dos 67,1% de um ano atrás e dos 74,4% de novembro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!