RMPA perde vagas pelo terceiro ano consecutivo – Jornal do Comércio

Pelo terceiro ano seguido, o mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) voltou a apresentar desempenho negativo. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-RMPA), a taxa de desemprego ficou em 11,2% em 2017, totalizando um contingente de 205 mil desempregados. Em 2016, o percentual havia sido de 10,7%. Mulheres, negros e trabalhadores entre 50 e 59 anos foram os mais atingidos pela queda na ocupação. O ano também representou queda no rendimento médio real do trabalho, que atingiu o menor poder de compra desde 1993, caindo para R$ 1,9 mil.

Quando se avalia apenas o contingente de ocupados, a retração já chega ao quarto ano consecutivo. No ano passado, foram 58 mil pessoas ocupadas a menos do que no fim de 2016, o que corresponde a uma queda de 3,4%. O setor de serviços foi o que mais puxou as perdas, com 73 mil trabalhadores a menos. Setores como indústria de transformação (mais 4 mil), construção (mais 2 mil) e comércio (mais 7 mil) apresentaram acréscimo em seus níveis ocupacionais, embora de maneira pouco expressiva.

A desigualdade de rendimento no período ficou menor, porém “não de uma maneira virtuosa”, destaca Iracema Castelo Branco, economista da Fundação de Economia e Estatística (FEE), uma das entidades responsáveis pela pesquisa. O movimento ocorreu por uma perda maior de vencimentos na parcela mais rica da população. Em comparação com o mesmo período do ano passado, por exemplo, a faixa que contempla os 10% mais ricos perdeu 12,1% de sua renda, enquanto os 10% mais pobres perderam 4,3%.

Já no mês de dezembro, a taxa de desemprego mostrou relativa estabilidade em relação a novembro, registrando leve alta de 12,6%, para os atuais 12,8% da População Economicamente Ativa. O número total de desempregados foi estimado em 239 mil pessoas no mês, um acréscimo de 5 mil em relação ao mês anterior. O comércio foi o único setor que cresceu no período ( 3,4%), enquanto a indústria de transformação (-2,9%), a construção (-1,6%) e os serviços (-0,1) registraram perdas no mês. “A demanda das festas de fim de ano foi o que colaborou para o desempenho positivo do comércio, com a criação de 11 mil ocupações no mês”, avalia Iracema.

Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego, feita por Dieese, Fgtas e FEE, divulgados nesta quarta-feira, podem ter sido um dos últimos realizados nestes moldes. A pesquisa tem destino incerto devido ao encerramento das atividades da FEE, que está em processo de extinção. Durante a apresentação dos dados, as pesquisadoras que representavam as entidades mantenedoras da PED mostraram preocupação com a descontinuidade da pesquisa, após 26 anos de atuação.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!