Rombo do setor público alcança R$ 110,6 bi em 2017 – Jornal do Comércio

Contas Públicas


Notícia da edição impressa de 01/02/2018.
Alterada em 31/01 às 22h40min

Rombo do setor público alcança R$ 110,6 bi em 2017

Resultado foi influenciado pela Previdência, afirma Fernando Rocha

/ABR/DIVULGAÇÃO/JC

Com a melhora da arrecadação e uma recuperação da situação fiscal de alguns municípios, o rombo das contas públicas brasileiras caiu e é o menor desde 2014. O Brasil teve um déficit de R$ 110,6 bilhões no ano passado, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central (BC) nesta quarta-feira. Apesar da melhora, o País registrou o quarto ano seguido no vermelho.

O governo tinha uma autorização para que o rombo global do setor público chegasse a R$ 163,1 bilhões. Para a União, a autorização era de R$ 159 bilhões. Isso porque, no meio do ano, a equipe econômica chegou a acreditar que não seria possível cumprir o objetivo original de manter o déficit em R$ 129 bilhões e aumentou a margem de manobra.

No entanto, o governo viu as receitas terem uma reação melhor à medida que a economia melhorava. Houve uma arrecadação extra com concessões de R$ 14,5 bilhões, por exemplo. Já as despesas também tiveram cortes. Assim, o governo conseguiu cumprir a meta. “Todos esses fatores contribuíram para a redução do déficit”, falou o chefe do departamento econômico do BC, Fernando Rocha. O economista lembra que o déficit das contas públicas foi causado pelo rombo na Previdência Social. “Quando se considera o INSS, o governo teve um déficit”, destaca Rocha.

Estados e municípios colaboraram no ano passado, fizeram um superávit primário de R$ 7,5 bilhões. No passado, a União já teve de economizar mais para cobrir déficit dos entes regionais. No geral, o rombo das contas públicas de todo o País representa 1,69% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2016, o déficit recorde de R$ 155,8 bilhões equivalia a 2,49% do PIB.

Essa incapacidade do País de poupar um centavo para pagar juros da dívida pública fez com que ela chegasse a 74% do PIB. O aumento foi de 0,7 ponto percentual do PIB apenas no mês passado. Ao todo, o Brasil deve R$ 4,9 trilhões. 

Dívida líquida encerra ano em 51,6% do PIB, diz BC

A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) encerrou 2017 em 51,6% do PIB, aos R$ 3,383 trilhões, informou nesta quarta-feira o Banco Central (BC). Em novembro, o percentual da dívida líquida ante o PIB era de 51,0%, e, em dezembro de 2016, de 46,2%. O BC projetava uma relação entre a DLSP e o PIB em 52,6% no fim de 2017. Já a estimativa para 2018 é de 56,8%.

A dívida bruta do governo geral encerrou 2017 em R$ 4,855 trilhões, o que representa 74,0% do PIB. Em novembro, essa relação estava em 74,3%.

A previsão do BC para dezembro era de uma taxa de 76,1%. Já a estimativa para o fim de 2018 é de dívida bruta de 78% do PIB, caso ocorra a devolução de R$ 130 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) ao Tesouro. Se não for feita a devolução, a projeção é de dívida bruta de 79,9% do PIB em 2018. No melhor momento da série histórica, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB. A dívida bruta do governo é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Subsídios a programas do Bndes somaram R$ 22 bilhões 

Os subsídios do Tesouro Nacional ao principal programa de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) somaram
R$ 22 bilhões no ano passado. Para 2018, a conta deverá ficar em R$ 9,1 bilhões. Os valores constam de relatório divulgado pelo Ministério da Fazenda.

Criado em 2009 e encerrado em 2016, o PSI (Programa de Sustentação do Investimento) destinava-se a financiar, com juros reduzidos, os investimentos de empresas, a compra de bens de capital (bens usados para produzir mercadorias), ações de pesquisa e desenvolvimento, e exportações. O programa foi executado com R$ 455 bilhões injetados pelo governo por meio de títulos públicos. Os subsídios, no entanto, terão de continuar a ser cobertos pelo Tesouro até 2041.

O PSI emprestava com juros inferiores à TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), taxa em 6,75% ao ano usada, até o ano passado, para corrigir os empréstimos do Bndes. Dessa forma, os subsídios do Tesouro dividem-se em dois tipos: os implícitos, que cobrem a diferença entre a Taxa Selic (juros básicos da economia) e a TJLP por meio da emissão de títulos públicos, e os explícitos, que cobrem a diferença entre a TJLP e os juros para o tomador com recursos do Orçamento.

No ano passado, informa o relatório, os subsídios explícitos para o PSI totalizaram R$ 6,369 bilhões, queda de 32,8% sobre o valor desembolsado em 2016. Os subsídios implícitos somaram
R$ 15,661 bilhões, recuo de 46,26% em relação ao ano anterior.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!