Bolsas da Europa fecham em baixa com perspectiva de aperto monetário – Jornal do Comércio

Os mercados acionários europeus fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira(1) à medida que investidores se atentaram à possibilidade de aperto por parte de grandes bancos centrais e a balanços corporativos. Com um cenário de juros mais elevados à vista, o índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em queda de 0,50% (-1,97 ponto), aos 393,49 pontos.

A visão otimista do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para a economia dos Estados Unidos e para a inflação no país apoiou o dólar e os rendimentos dos títulos da dívida americana na quarta-feira. No entanto, a perspectiva de juros mais elevados nas economias centrais contribuiu para uma forte correção no ritmo de alta visto neste início de ano nas praças europeias.

O presidente do banco central da Áustria, Ewald Nowotny, que faz parte do conselho diretivo do Banco Central Europeu (BCE), afirmou nesta quinta-feira, pouco após o fechamento dos mercados em solo europeu, que o programa de compra de títulos da instituição precisa acabar. De acordo com o dirigente, o BCE deve decidir o futuro do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) até setembro e, somente após o fim do QE, uma elevação nos juros ocorreria na zona do euro.

A visão defendida por Nowotny, embora predominante nos mercados, contrastou com a avaliação do economista-chefe do BCE, Peter Praet, de que um amplo grau de estímulos ainda é necessário na região. Com esse pano de fundo, os rendimentos dos títulos europeus apresentou forte alta na região: o juro do Bund alemão de 10 anos subiu de 0,698% na quarta para 0,723% nesta quinta, enquanto o retorno do OAT francês de 10 anos avançou de 0,971% para 0,976%.

Nos mercados acionários, o movimento de aperto não foi bem visto. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, foi o que mais sofreu com o movimento, ao ceder 1,41%, aos 13.003,90 pontos. A Daimler fechou em baixa de 2,16%, após registrar receita abaixo do esperado, mesmo com lucro 45% maior no quarto trimestre do ano passado em relação ao mesmo período de 2016.

Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,57%, aos 7.490,39 pontos, enquanto o índice CAC-40 recuou 0,50%, aos 5.454,55 pontos. Já em Madri, o índice Ibex-35 cedeu 0,50%, aos 10.399,00 pontos, e, em Lisboa, o índice PSI-20 perdeu 1,00%, aos 5.606,88 pontos.

Já na bolsa de Milão, o índice FTSE-MIB destoou dos demais e fechou em alta de 0,15%, aos 23.541,46 pontos. Com a perspectiva de juros mais altos, bancos italianos reagiram positivamente: o Unicredit ganhou 0,14% e o Banca Mediolanum avançou 0,63%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!