Bolsas da Europa fecham em queda com percepção sobre aperto monetário de BCs – Jornal do Comércio

As bolsas da Europa encerraram o pregão desta sexta-feira em quedas fortes, pressionadas pela percepção dos investidores de que o aperto monetário dos principais banco centrais, especialmente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Balanços corporativos piores do que o previsto também alimentaram a onda vendedora. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou em 388,07 pontos, queda diária de 1,38% e semanal de 3,12%.

Ao longo da última semana, a visão dos investidores internacionais em relação às perspectivas sobre a política monetária global foi se modificando. Enquanto no começo de janeiro a percepção de que o ritmo do aperto das condições financeiras poderia ser adiado, dados econômicos e reiterados discursos de autoridades alimentaram as apostas de que a inflação pode chegar aos níveis projetados pelas instituições.

Nesta sexta-feira, a especulação ganhou contornos mais sólidos, com a divulgação do relatório de emprego (payroll) dos Estados Unidos de janeiro. De acordo com o Departamento do Trabalho, a economia americana criou 200 mil vagas no mês passado e o salário médio por hora avançou 0,34%, ambos acima das previsões de analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires.

O dado corroborou as apostas de três elevações de juros nos EUA este ano e alimentou até especulações de quatro elevações. Com o aperto monetário dado como certo, os investidores se afastaram de ações nos mercados em todo o planeta.

Na Europa, balanços corporativos ainda prejudicaram os negócios. O Deutsche Bank anunciou prejuízo líquido de 2,18 bilhões de euros no quarto trimestre de 2017, maior que a perda de 1,89 bilhão de euros registrada no mesmo período do ano anterior.

O resultado foi afetado por despesas fiscais relacionadas à reforma tributária dos EUA e também por uma queda na receita. As ações da companhia cederam 6,21% e ajudaram a levar a Bolsa de Frankfurt ao nível de 12.785,16 pontos no encerramento, queda diária de 1,68% e semanal de 4,16%.

Todo o setor bancário europeu foi afetado pelo mau humor com o banco alemão. O italiano Banca Carige caiu 1,16%, o espanhol Santander cedeu 1,46%, o francês Société Générale perdeu 1,54% e o português BCP recuou 1,93%.

A Bolsa de Milão fechou em 23.202,66 pontos, perda diária de 1,44% e semanal de 2,74%. A de Madri recuou para 10.211,20 pontos, recuo na sessão de 1,81% e na semana de 3,63%. A de Paris terminou na mínima aos 5.364,98 pontos, quedas de 1,64% nesta sexta-feira e de 2,97% ante a sexta-feira passada. A de Lisboa foi para 5.516,87 pontos, desvalorização no pregão de 1,61% e na semana de 4,36%.

O setor de energia também foi penalizado na sessão, em dia de perdas acentuadas no petróleo por causa do dólar mais forte e da percepção de que a indústria americana do óleo pode ampliar a produção.

Em Londres, as ações do setor foram destaque de baixa. A BP recuou 2,40% e a Royal Dutch Shell (tipo A) caiu 0,46%. O índice FTSE-100 caiu para 7.443,43 pontos, queda diária de 0,63% e semanal de 2,90%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!