Juros fecham em alta forte com apostas em aperto monetário mais firme nos EUA – Jornal do Comércio

Os ativos domésticos passam nesta sexta-feira por uma correção generalizada a partir do quadro externo e na curva de juros esse movimento se traduziu em pressão de alta nos principais vencimentos, sobretudo os longos, que são mais sensíveis ao cenário internacional. O catalisador para a trajetória ascendente foi o relatório de emprego norte-americano de janeiro, cuja leitura reforçou a ideia de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode aplicar quatro altas de juros em 2018.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,830%, de 6,805% no ajuste de quinta-feira, e a do DI para janeiro de 2020 subiu de 8,01% para 8,08%. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou a 8,92%, de 8,81%, e o DI para janeiro de 2023 avançou de 9,47% para 9,60%.

No relatório norte-americano, o destaque foi o avanço de 0,34% do salário médio por hora dos trabalhadores, acima do esperado pelos economistas (0,20%), sinalizando aumento da pressão inflacionária, o que pode levar a política monetária a um aperto mais forte este ano. Além disso, a geração de 200 mil vagas também superou as projeções, que eram de 177 mil postos. Janeiro marcou o 88º mês seguido de criação de empregos nos EUA, a série mais longa da história.

À tarde, foram divulgados mais dados indicando a consolidação da expansão da economia norte-americana. As encomendas à indústria subiram 1,7% de novembro para dezembro, enquanto analistas previam avanço de 1,5%.

“O processo de normalização de juros talvez não seja tão gradual como esperado. O mercado já está vendo quatro altas de juros e o comunicado de anteontem do Fed já tinha dado algum sinal de que podem ser mais de três”, avaliou o economista-chefe da Icatu Vanguarda, Rodrigo Melo.

Em consequência, o dólar avança ante as demais moedas, incluindo o real, enquanto a taxa da T-Note de dez anos rompeu o patamar de 2,80%, atingindo os maiores níveis em três anos. Às 16h33, o dólar à vista estava em R$ 3,2113 (+1,31%) e o Ibovespa caía 1,17%, aos 84.449,14 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!