Embraer sobe 4% com proposta de criar nova empresa em parceria com a Boeing – Jornal do Comércio

A Boeing apresentou na sexta-feira, 2, ao governo brasileiro a proposta de criar uma terceira empresa para unir as operações de aviação comercial com a Embraer, segundo fontes de mercado. O negócio de defesa da Embraer, segmento que o Brasil considera estratégico, ficaria de fora dessa estrutura. A expectativa de que isso poderia facilitar o fechamento do negócio entre a fabricante nacional e a gigante americana fez os papéis da Embraer dispararem ontem na Bolsa paulista.

A intenção de criar uma terceira empresa foi apresentada a autoridades federais, mas ainda não houve decisão sobre a proposta, disseram fontes. A discussão foi antecipada jornal O Globo. Com a notícia, porém, a ação ordinária ON da fabricante brasileira registrou a maior alta de ontem da B3, de 4,41%, fechando a R$ 22,72. O resultado foi obtido mesmo em um dia negativo para o principal índice da Bolsa paulista, o Ibovespa, que fechou em baixa de 1,7%.

A criação de uma empresa voltada apenas à aviação comercial contemplaria o principal interesse da americana na Embraer – os jatos de médio porte para voos regionais. O movimento da americana seria uma resposta à franco-alemã Airbus, que anunciou a compra de uma fatia majoritária do projeto C-Series, da canadense Bombardier, que concorre diretamente com os E-Jets, da Embraer.

Com a nova proposta, o comitê criado pelo governo para avaliar o negócio vai decidir se os interesses de defesa do Brasil estarão protegidos. A primeira avaliação, porém, parece positiva. Uma das pessoas que acompanham o tema disse que, para o governo, o mais importante é excluir a área militar do acordo.

Essa decisão é decorrente do receio que futuras decisões estratégicas para a área de defesa da Embraer tenham de passar pelo crivo dos Estados Unidos. Esse é o risco de a Boeing eventualmente participar do controle de toda a Embraer.

 

Uma das fontes ouvidas pelo Estado aponta que o governo brasileiro avalia apenas questões protegidas pela chamada golden share – ação que dá ao Planalto poder de veto a decisões estratégicas da empresa. A negociação comercial não é preocupação do governo brasileiro.

Em relação ao assunto, há a percepção em Brasília de que a Boeing “tem mais pressa para fechar o negócio que o governo”. Como o Estado antecipou na semana passada, executivos da Boeing gostariam de concluir as negociações para evitar que o negócio seja tema das eleições presidenciais.

 A divulgação do eventual novo desenho do negócio levou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a questionar a Embraer. Ontem, a fabricante de aeronaves divulgou um comunicado afirmando que “as partes envolvidas ainda estão analisando possibilidades de viabilização de uma combinação de outros negócios, que poderão incluir a criação de outras sociedades”.

“Quando e se definida a estrutura para combinação de negócios, sua eventual implementação estará sujeita à aprovação não somente do governo brasileiro, mas também de órgãos reguladores nacionais e internacionais e dos órgãos societários das duas companhias”, informou a gigante brasileira.

Procurada pela reportagem, a Boeing não quis comentar o assunto.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!