Cresce geração de energia com biogás no País – Jornal do Comércio

A produção de energia elétrica no Brasil a partir do biogás (feito de resíduos orgânicos) no ano passado foi 14% superior à geração em 2016. As 35 usinas que aproveitam rejeitos urbanos, da pecuária e da agroindústria no País alcançaram a marca de 135,279 MW médios entregues ao longo de 2017, informa a Associação Brasileira de Biogás e Biometano (ABiogás).

O volume significa uma geração de 1.065,5 MWh por ano. Considerando a média per capita de consumo de energia em 2016, que foi de 2,266 MWh por habitante, a atual capacidade instalada de biogás poderia alimentar uma cidade de quase 470 mil pessoas. Mesmo com a evolução, o presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann, afirma que, hoje, menos de 1% do potencial do biogás é aproveitado no Brasil.

O dirigente destaca que muitos resíduos da agroindústria, do segmento alimentício, da cadeia da cana-de-açúcar, dejetos de suínos ou bovinos ainda não são usados para essa finalidade. Segundo dados da ABiogás, o País deixa de gerar 115 mil GWh de energia com o não aproveitamento do potencial disponível para geração de biogás, o que corresponderia a 25% de toda energia consumida em 2016.

Gardemann frisa que o biogás começa a ser mais reconhecido como uma alternativa para a geração de energia e que, pela primeira vez, está dentro do planejamento de longo prazo da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que é vinculada ao Ministério de Minas e Energia. O dirigente também vê várias oportunidades dentro do campo da geração distribuída (produção de eletricidade no local de consumo). Além disso, o biogás pode ser purificado, transformando-se em biometano, e aproveitado em outros mercados, como o automotivo, sendo usado como combustível substituto ao Gás Natural Veicular (GNV).

Para 2019, Gardemann adianta que a expectativa é de que o Brasil atinja uma capacidade de aproximadamente 500 mil metros cúbicos ao dia de biometano. A título de comparação, o Rio Grande do Sul tem hoje uma demanda de cerca de 2 milhões de metros cúbicos de gás natural convencional. “Chegou a hora de o biogás crescer exponencialmente, de maneira rápida”, diz o presidente da ABiogás. Além de ser uma solução ambientalmente correta para rejeitos orgânicos, Gardemann comenta que o biogás e o biometano podem ser complementares ao gás natural tradicional, pois podem chegar a locais que, no momento, não são atendidos pelas redes de gasodutos já instaladas.

A dívida bilionária que os consumidores de energia pagam mensalmente a transmissoras poderá ter seu prazo prorrogado de 8 para 25 anos. Na prática, isso reduziria a parcela paga por ano, mas pode ampliar o valor total desembolsado em até R$ 30 bilhões por causa das correções monetárias. O valor será corrigido por uma taxa fixada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A dívida, provocada por mudanças regulatórias feitas em 2012, pelo governo Dilma, havia sido calculada em R$ 62,2 bilhões. Com a alteração, o valor pode passar a até R$ 93 bilhões ao fim dos 25 anos, segundo a Anace, associação que reúne grandes consumidores de energia.

O cálculo não é exato, pois pode sofrer com diferentes variáveis ao longo de um prazo tão extenso. O aumento do custo financeiro, porém, será de, no mínimo, R$ 20 bilhões, estima Ricardo Savoia, diretor da consultoria Thymos.

O argumento do governo para rever a conta é que está em andamento um pacote de melhorias que dará mais eficiência ao setor elétrico, e o aumento poderá ser compensado por outras economias futuras que ocorreria, segundo a Folha de S.Paulo.

O imbróglio que gerou a dívida começou em 2012, quando a então presidente Dilma Rousseff antecipou a renovação das concessões das transmissoras. Em troca, foi prometida uma indenização, para compensar investimentos antigos não amortizados.

A negociação em torno da dívida foi longa e a cobrança só começou em agosto de 2017. Os valores definidos, porém, não são consensuais. Entidades de indústrias entraram com ações judiciais questionando a tarifa, que consideram elevada. Hoje, R$ 9 bilhões do montante total estão travados por liminares, e outras ações aguardam análise.

A nova forma de cobrança poderá ajudar o processo de privatização da Eletrobras, segundo analistas. Um impacto positivo seria a redução da conta de luz no curto prazo, que seria de 2%, em média, segundo a Thymos. Esse alívio poderia amenizar o impacto de um eventual aumento da tarifa provocado pela privatização da Eletrobras, reduzindo a resistência ao projeto, avalia Jorge Pereira da Costa, vice-presidente da consultoria Roland Berger. “Pode ser uma tentativa de retirar argumentos desfavoráveis à privatização.”

Outro benefício seria o possível fim da briga judicial em torno da dívida, o que daria mais garantia de que os recursos entrariam no caixa. Do valor total, 72% iria para a Eletrobras –só Furnas receberia 37%, e a Chesf, 21%. A medida, porém, ainda está em negociação. Tanto transmissoras quanto consumidores criticaram a proposta.

A Anace diz que manterá a ação judicial, porque discorda da cobrança como um todo, e não só dos termos de pagamento. “O consumidor não tem que pagar nada. Além disso, falta transparência. Esses cálculos estão corretos? Que auditoria foi feita?”, diz o presidente, Carlos Faria.

Do outro lado, a Abrate, que reúne transmissoras públicas e privadas, manifestou preocupação com a redução dos valores recebidos por ano. “Com o pagamento em 25 anos, a receita anual é bem menor. Isso afeta nossa capacidade de atender aos investimentos que o ministério exige. As empresas aprovaram em 2017 seus planos de negócio contando com esse dinheiro. Se não se concretizar, vai ser uma frustração grande, é claro que vai ter problema”, diz Mario Miranda, presidente da associação. Além disso, a medida passará pelo crivo dos acionistas da Eletrobras, afirma Laura Souza, do Machado Meyer Advogados. “Se houver resistência, o governo deve rever.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!