Reformas estruturais no Brasil são fundamentais, afirma Fitch em relatório – Jornal do Comércio

A agência de classificação de risco Fitch Ratings avaliou em relatório publicado nesta segunda-feira (5) que recentes dados da economia do Brasil, como a diminuição do déficit em conta corrente, mostram que a melhora em algumas métricas de crédito soberano.

Apesar disso, a empresa considera que as reformas estruturais no Brasil continuam sendo “fundamentais” para a estabilização das finanças públicas. Essas mudanças, no entanto, continuam a ser desafiadas por um cenário político incerto.

Citando a diminuição do déficit em conta corrente para US$ 9,8 bilhões em 2017, a agência disse reconhecer o progresso na redução dos desequilíbrios macroeconômicos desde novembro, quando houve a afirmação do rating BB em perspectiva negativa.

“A melhoria se deveu principalmente a um maior superávit comercial e à cobertura do déficit em conta corrente pelo investimento direto estrangeiro”, comentou a agência. “No final de janeiro, os dados do Banco Central mostraram que o déficit do setor público em 2017 diminuiu para 7,8% do PIB, ante cerca de 9% no ano anterior. O déficit fiscal primário de 1,7% estava ligeiramente abaixo do objetivo revisado do governo”, adicionou o texto.

No relatório, a empresa confirmou ainda a previsão de crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,6% no biênio 2018 e 2019. “Espera-se que o crescimento seja sustentado por uma recuperação da demanda interna de consumo e investimento, além de uma perspectiva de crescimento global mais favorável e preços de commodities favoráveis”, disse.

A empresa de classificação de risco ponderou ainda que grandes déficits fiscais e incerteza sobre as reformas continuam a pesar no perfil de crédito soberano do Brasil, e que isso se reflete na perspectiva negativa da nota.

“O grande reembolso esperado dos empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) ao Tesouro de R$ 150 bilhões diminuirá o ritmo do aumento da dívida em 2018, mas a Fitch espera que o fardo da dívida continue a aumentar a médio prazo, a menos que haja reformas para permitem a consolidação mais rápida do déficit primário”, comentou a agência. De acordo com a Fitch, a sustentabilidade das finanças públicas “ainda depende de reformas estruturais”.

A Fitch também avaliou no relatório que as incertezas políticas no Brasil são ampliadas pelas eleições de outubro. “Vários fatores ainda não são claros (nas eleições), incluindo o possível papel do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois da confirmação da sua condenação por corrupção”, disse a agência.

Neste cenário de incertezas, e diante do adiamento da votação da reforma da Previdência, se torna “importante” a orientação política da próxima administração. De acordo com o relatório da agência, “não é certo” se o Congresso brasileiro vai votar a reforma da Previdência neste mês. A previsão atual do governo é de que o texto vá a Plenário em 19 de fevereiro.

“Não é certo se o governo vai votar a reforma (da Previdência) em meados de fevereiro, como anunciado em dezembro. Consideramos a reforma como uma condição importante para melhorar a flexibilidade das finanças públicas, embora outras reformas sejam necessárias para que o governo continue em conformidade com o limite de gastos no médio prazo”, afirmou.

Para a Fitch, o calendário para a “aprovação da reforma da Previdência mostra o desafio de construir um consenso para mudanças estruturais”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!