Bolsas norte-americanas se recuperam de tombo e voltam a subir – Jornal do Comércio

Em um dia marcado pela alta volatilidade, os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta terça-feira (6), em alta, após a forte correção das duas sessões anteriores ter arrefecido e dado espaço para uma leve recuperação. Quase todos os subíndices do S&P 500 apresentaram valorização, com o setor financeiro e o de tecnologia no pelotão de frente dos ganhos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 2,33%, aos 24.912,77 pontos; o S&P 500 avançou 1,74%, aos 2.695,14 pontos; e o Nasdaq subiu 2,13%, aos 7.115,88 pontos. Considerando a variação porcentual, o Dow Jones apresentou o melhor desempenho desde novembro de 2016; o S&P 500 teve a melhor performance desde novembro de 2016 e o Nasdaq, desde outubro do ano passado.

Após o pânico que se instaurou nos mercados globais na segunda-feira, as bolsas de Nova Iorque exibiram leve recuperação, embora tenham oscilado entre leves ganhos e perdas durante todo a sessão. Pouco antes do fim dos negócios, um movimento comprador impulsionou as bolsas, com ações de tecnologia e de bancos se destacando nesse impulso. Não por acaso, a Apple subiu 4,18%, a Netflix saltou 4,51%, o Goldman Sachs teve alta de 3,85% e o JPMorgan apresentou valorização de 3,04%.

Para os analistas do Goldman Sachs, os principais impulsionadores dos mercados de ações permanecem intactos. Eles apontam que a correção vista nas bolsas “parece ser mais técnica e orientada para o posicionamento do que baseada em fundamentos”. Nesse cenário, o banco americano reiterou a previsão de que o S&P 500 terminará este ano cotado a 2.850 pontos e de que os lucros das empresas que compõem o indicador crescerão 14% no ano, incluindo um aumento de 5% proveniente da reforma no sistema tributário dos EUA.

Quem também minimizou o declínio nas ações visto na segunda-feira foi o banco suíço UBS. De acordo com o chefe de investimentos para Américas da instituição, Mark Haefele, “quedas dessa magnitude não são incomuns”, mas o movimento da segunda-feira foi motivado por fatores técnicos que continuaram a onda vendedora de ações nos EUA que teve início na segunda-feira, após a divulgação do relatório de emprego do país. O documento mostrou uma aceleração no salário médio por hora em janeiro e uma criação de mais vagas do que o previsto por analistas. Para Haefele, os riscos de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) eleve as taxas de juros muito rapidamente e desencadeie uma recessão nos próximos dois anos “parecem muito baixos”.

A volatilidade nos mercados também foi alvo de comentários do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. Em depoimento no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, Mnuchin comentou que o Departamento do Tesouro está monitorando a volatilidade dos mercados, “que parecem funcionar perfeitamente”. Para ele, as recentes movimentações refletem uma “correção normal, ainda que grande”. Além disso, Mnuchin apontou que a forte queda dos índices acionários teve como ingrediente extra a utilização de robôs nos pregões. “Definitivamente, negociação por algoritmos teve impacto nos mercados na segunda-feira”, afirmou.

O índice de volatilidade da CBOE (VIX), considerado o medidor de medo de Wall Street, apresentou queda de 19,67%, aos 29,98 pontos, apagando parte da forte valorização vista na segunda-feira.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!