Dólar registra ligeira alta em dia de Copom e trégua em NY – Valor

SÃO PAULO  –  O desempenho do mercado brasileiro de câmbio supera o dos principais pares emergentes nesta quarta-feira (7). A despeito do amplo avanço do dólar no exterior, o real tem um dia de poucos solavancos e oscila perto da estabilidade ante a divisa americana.

A movimentação mais contida também decorre de novo alívio ante a turbulência que tomou as bolsas americanas nos últimos dias. Os principais índices de ações em Nova York voltam a operar no azul, depois do “crash relâmpago” da segunda-feira (5), apesar das preocupações persistentes com uma nova onda de vendas. E o índice Vix, de volatilidade em Wall Street, recua mais de 15%.

Por volta das 13h40, o dólar comercial subia 0,33%, a R$ 3,2561. O contrato futuro para março, por sua vez, avançava 0,39%, a R$ 3,2560.

Além da movimentação no exterior, segue no radar os esforços do governo e da base aliada para avançar com a reforma da Previdência. A aprovação da medida ainda é vista com ceticismo no mercado.

“A aprovação está cada dia mais difícil e, se passar, vai ser uma versão totalmente descaracterizada”, aponta o estrategista da Coinvalores, Paulo Nepomuceno.

Juros

A diminuição da turbulência nos mercados americanos, pelo menos por ora, abre caminho para novo alívio nos juros futuros. As taxas operam em queda desde o começo do dia, enquanto os investidores aproveitam para reduzir o prêmio embutido ao longo da curva.

Sem descuidar do sinal exterior, as atenções se voltam ao anúncio do Comitê de Política Monetária (Copom) que tende a indicar os passos finais do ciclo de corte da Selic.

A onda de vendas que tomou as bolsas de Nova York não parece abalar a confiança na queda da taxa hoje e o consenso no mercado continua firme numa redução de 7,00% para 6,75%, o que renovará a mínima histórica. Por outro lado, o ambiente externo menos favorável pode pesar na linguagem do Comitê, reforçando a leitura de este pode ser o último movimento da flexibilização monetária.

A iminência do fim do ciclo contribui para diminuir a diferença entre as taxas curtas e as longas. Isso porque os vencimentos mais curtos já não teriam tantos catalisadores de queda, enquanto os intermediários e longos têm prêmio a ser explorado. 

Por volta das 13h43, o DI janeiro/2019 caía a 6,805% (6,830% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2020 recuava a 8,030% (8,070% no ajuste anterior).

A abertura em alta dos mercados americanos de ações também reiterava o sinal positivo para os juros mais longos. O DI janeiro/2021 a 8,860% (8,910% no ajuste anterior) e o Di janeiro/2023 recua a 9,530% (9,590% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!