Parente diz estar confiante na manutenção do preço elevado do Brent – Jornal do Comércio

A valorização do preço do Brent neste início de ano vai ajudar a Petrobras a atingir a relação dívida/Ebitda ajustado de 2,5 x no fim deste ano, segundo afirmou o presidente da Petrobras, Pedro Parente, em encontro realizado com jornalistas nesta quarta-feira (7). A cotação do barril ajuda a empresa também a manter o plano de investimento deste ano, ainda que tenha gastos extras com o pagamento do acordo firmado com acionistas dos Estados Unidos.

Parente disse estar confiante na manutenção do preço do barril em patamares mais elevados neste ano. Em janeiro, chegou a alcançar a marca de US$ 70, que não era atingida desde dezembro de 2014. Se esse nível se mantiver, a empresa chegará a dezembro com alavancagem de 2x, embora, o ideal, em sua opinião, seja um índice de 1,5x. “Só não sei se estarei aqui (no cargo) quando isso acontecer”, afirmou.

Em contrapartida, se o barril ficar abaixo de US$ 62,4, o suficiente para a meta financeira ser atingida, a empresa vai ser obrigada a recorrer a artifícios de geração de caixa.

Entre os artifícios está a venda de um número maior de ativos do que o previsto até então. A estatal planeja fechar o ano com desinvestimento de US$ 16,5 bilhões, inseridos num portfólio total de US$ 40 bilhões. Caso o Brent caia para níveis médios inferiores a US$ 62,4 por barril, o portfólio pode ser ampliado até US$ 45 bilhões e as vendas avançariam para além dos US$ 16,5 bilhões.

Parente ressaltou ainda que a empresa conta com outras ferramentas para melhorar o caixa, caso a cotação internacional da commodity não a ajude a atingir suas metas. Entre elas está a redução de custos.

A dívida da Eletrobras com a Petrobras com a compra de combustíveis para a geração de energia na Região Norte do País soma R$ 20 bilhões, segundo Parente.

Ele afirmou que a Petrobras só vai acertar um acordo com a companhia elétrica se as condições atenderem aos seus interesses.

A dívida da Eletrobras, na verdade, era da BR Distribuidora, mas foi assumida pela sua controladora para que fosse possível abrir o capital da subsidiária. O passivo é um dos entraves para a privatização da Eletrobras que o governo pretende realizar ainda este ano.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!