CPFL prevê menor migração para mercado livre – Jornal do Comércio

Apesar da perspectiva de polpudos aumentos das tarifas por parte das concessionárias brasileiras neste ano, a migração para o mercado livre de energia (formado por grandes consumidores, que podem escolher seu fornecedor de eletricidade) deve diminuir o ritmo. Entre os fatores que explicam esse fenômeno estão o elevado preço da energia no mercado spot (de curto prazo) ao final do ano passado e a necessidade de as empresas avisarem com muita antecedência as suas distribuidoras que estarão deixando o ambiente cativo.

O mercado livre é o nicho do setor elétrico no qual compradores e vendedores negociam livremente as condições de seu suprimento de energia. Podem participar consumidores com demanda contratada acima de 0,5 MW (desde que com fontes renováveis incentivadas) e, a partir de 3 MW, é possível contratar qualquer espécie de geração.

O diretor-presidente da CPFL Brasil, Daniel Marrocos Camposilvan, informa que o consumo de energia no mercado livre no ano passado obteve um crescimento em geral de 26% em relação a 2016 e, no caso em particular do universo atendido pela área de comercialização do grupo, esse incremento foi na ordem de 50%. Para 2018, a expectativa é de que seja baixo o volume da migração (em um cenário otimista, o executivo calcula em cerca de 10% o crescimento do consumo de energia no ambiente livre). “Mas, a longo prazo, é um movimento que não tem volta”, projeta Camposilvan.

Atualmente, o mercado livre é composto por aproximadamente 5 mil consumidores, sendo que, desse total, em torno de 4 mil são atendidos pelas chamadas fontes incentivadas. O potencial desse segmento no Brasil, abrangendo pequenas e médias empresas, é de cerca de 180 mil clientes. A tendência é de que a legislação do setor elétrico brasileiro evolua ampliando, futuramente, as possibilidades de migração de clientes residenciais e abrindo ainda mais as potencialidades para o mercado livre.

A CPFL é uma das líderes em comercialização de energia nesse segmento com 14,4% de market share (vendas de janeiro a novembro). Somente a área de comercialização de energia do grupo (muito conhecido dos gaúchos por ser o controlador das distribuidoras RGE e RGE Sul) registra um faturamento médio anual entre R$ 2,5 bilhões a R$ 3 bilhões.

Indagado se as vendas de energia no mercado livre proporcionadas por um braço da empresa não prejudicariam as concessionárias da companhia, o diretor de mercado da CPFL Brasil, Ricardo Motoyama de Almeida, comenta que, quando um consumidor migra, diminui o faturamento da distribuidora, porém reduz também as despesas da concessionária com a compra de energia. Uma questão que está sendo debatida com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e que interessa aos dois lados, revela Camposilvan, é a possibilidade de as distribuidoras venderem no mercado livre energia contratada que se tornou excedente. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!