Cobre opera em queda, em reação a aumento nos estoques do metal – Jornal do Comércio

O cobre opera em baixa nesta sexta-feira (9). A elevação nos estoques do metal provoca o movimento, que pode levar o contrato em Londres ao patamar mais baixo desde meados de dezembro.

Às 9h20min (de Brasília), o cobre para três meses recuava 0,82%, a US$ 6.082,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 9h44min, o cobre para março caía 0,94%, a US$ 3,0530 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O dólar sobe em geral ante moedas fortes, embora sem tanto impulso. De qualquer modo, o fortalecimento da divisa americana torna o metal mais caro para os detentores de outras moedas, o que contém o apetite dos investidores.

Além disso, a fraqueza do preço é fruto sobretudo do aumento nos estoques monitorados pela LME. O montante estocado nesses locais aumentou 22% até agora nesta semana, para seu patamar mais alto desde setembro de 2016, de acordo com o corretor Alastair Munro, da Marex Spectron.

Para o analista John Meyer, da SP Angel, porém, o movimento de fraqueza pode ter vida curta, já que existe o risco de problemas na produção em meio a negociações trabalhistas na América do Sul.

Os mercados acionários e de bônus sofreram forte volatilidade nesta semana, mas nas commodities o movimento foi menos acentuado. Analistas atribuem a queda do cobre na semana à fraqueza do petróleo e ao fortalecimento do dólar, não tanto a um movimento generalizado de vendas do metal.

Os analistas do Commerzbank afirmaram que há uma correção no caso do cobre, já que o metal vinha sendo pouco afetado pela fraqueza das ações pelo mundo.

Os investidores agora esperam uma queda nos volumes negociados do metal na próxima semana, antes do ano-novo lunar na China.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 1,24%, a US$ 3.397 a tonelada, o alumínio recuava 1,29%, a US$ 2.141,50 a tonelada, o estanho tinha baixa de 0,54%, a US$ 21.265 a tonelada, o níquel caía 2,09%, a US$ 12.900 a tonelada, e o chumbo recuava 1,46%, a US$ 2.491 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!