Ibovespa fecha em queda de 0,78% com volatilidade nas bolsas em Nova Iorque – Jornal do Comércio

O Ibovespa espelhou a volatilidade dos mercados acionários em Nova York e oscilou em grande parte do dia sob a influência das cotações dos contratos futuros de petróleo. Durante o pregão desta sexta-feira (9) o índice à vista operou entre a mínima de 79.690,08 pontos (-2,26%) e a máxima de 81.897,00 pontos (+0,45%). Fechou em queda de 0,78%, aos 80.898,69 pontos. O giro financeiro foi de R$ 12,35 bilhões. Na semana, as perdas chegam a 3,74%, mas ainda há ganhos de 6,39% em 2018.

“Não é possível falar que a correção parou, mas precisamos de um impulso para virar”, disse Ariovaldo dos Santos, gerente da mesa de renda variável da H.Commcor.

O índice, que chegou a recuar mais de 2% na sessão desta sexta, seguia a trajetória de seus pares em Nova Iorque e também o preço do petróleo no exterior. Os contratos futuros da commodity chegaram a recuar quase 5%, pressionados pela subida do dólar e por sinais de maior produção nos Estados Unidos nas últimas semanas. Também influenciou a onda de vendas a perda do nível de US$ 60 do barril do WTI, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex). No momento do rompimento desse piso as bolsas de Nova York foram às mínimas e o Ibovespa acompanhou com as ações da Petrobras acentuando perdas entre 2,5% e 2,8%. Os papéis ON e PN da petroleira brasileira fecharam o dia com recuo de 1,28% e 1,47%, respectivamente.

Para Alexandre Espirito Santo, economista da Órama, neste momento, o mercado está colocando no preço tudo que não estava antes. “Quem vai dormir comprado no carnaval? São dois dias sem bolsa diante de tudo isso no cenário daqui e de lá de fora”, afirmou, lembrando que há exatos 11 pregões o índice fechou aos 85.530,83 pontos, em alta de 0,69%, e hoje caiu no intraday a 79 mil. “É uma queda grande e em pouco tempo.”

Segundo Marco Tulli Siqueira, gestor de renda variável Coinvalores, os investidores estrangeiros já se colocam para continuar deixando suas posições na bolsa. De acordo com a B3, os não-residentes retiraram R$ 608,10 milhões no pregão da última quarta-feira, dia 7. Com o resultado, em fevereiro o fluxo estrangeiro está negativo em R$ 2,535 bilhões. Mas o saldo em 2018 está positivo em R$ 7,013 bilhões. “Céu com muita nuvem escura tem chuva”, disse.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!