Para economistas, varejo confirma retomada gradual – Exame

São Paulo – O crescimento do varejo em 2017 confirma que o processo de recuperação da atividade está em curso, mas a retomada ainda precisa ganhar mais ritmo para recuperar a perda acumulada de 10,2% entre 2015 e 2016, avaliam os economistas consultados pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Em dezembro ante novembro, alguns analistas se decepcionaram com a queda da atividade, embora tenham pontuado o efeito negativo da antecipação das vendas na Black Friday e reforçado que o dado na comparação com dezembro de 2016 mostre clara melhora.

A avaliação é de que o consumo deve mostrar menor ímpeto no Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre, mas seguir em trajetória de crescimento em 2018, impulsionado, principalmente, pelo efeito da queda do juro e do desemprego.

Em relação ao PIB, o desempenho do varejo no quarto trimestre manteve as projeções inalteradas em alta de até 0,5%. Neste ano, o varejo deve contribuir para alta maior do PIB, entre 2% a 3,9%, depois da expansão de cerca de 1% estimada para 2017.

O varejo restrito caiu 1,5% em dezembro ante novembro e subiu 3,3% na comparação com o mesmo período de 2016. No acumulado do ano, a expansão foi de 2%.

Os resultados ficaram abaixo das medianas da pesquisa do Projeções Broadcast, de -0,50%, 4,50% e 2,20%, respectivamente, mas dentro do intervalo. O varejo ampliado, na contramão, veio melhor que a mediana, mas também dentro do intervalo na margem, na comparação interanual e no ano.

Em dezembro ante novembro, houve queda de 0,80% ante consenso de recuo de 1,05%, frente a dezembro de 2016 a alta foi de 6,4% enquanto a mediana era de 5,70%. No ano, a diferença foi menor. O resultado foi de elevação de 4% e a mediana era de 3,90%.

Apesar do comércio ter contado com fatores pontuais ao longo do ano passado, como a liberação das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), os analistas entendem que o ambiente econômico mais favorável contribuiu para reação da atividade ao longo do ano.

Em relação ao dado de dezembro na margem e do quarto trimestre, contudo, alguns analistas avaliam que a redução dos estímulos podem ter diminuído o ímpeto do consumo, embora os dados estejam contaminados pelas vendas na Black Friday que têm mudado a sazonalidade da série da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de outubro a dezembro, explicam os economistas.

“O montante do FGTS foi maior que o PIS/Pasep. Nesse sentido, houve menos estímulo ao consumo no quarto trimestre e a massa salarial parou de crescer tanto como o efeito da desaceleração da inflação. Mas a sensação ainda é de um número bom no período”, avalia o economista-chefe da Icatu Vanguarda, Rodrigo Melo. A antecipação dos saques do PIS/Pasep começaram em outubro e foram pagos R$ 2,2 bilhões em 2017. Já os recursos do FGTS foram liberados entre março e julho e injetaram R$ 44 bilhões na economia.

Segundo o economista Luiz Castelli, da GO Associados, como as vendas do varejo e o consumo perderam um pouco de ímpeto no último trimestre e dado que os gastos das famílias têm peso importante na composição do Produto Interno Bruto (PIB), não houve mudança nas projeções para o PIB, mas a indústria e os investimentos ganharam força no período. A GO Associados mantém as expectativas de crescimento de 1,1% para o PIB de 2017 e aguarda alta de 3,2% para o PIB de 2018.

O varejo ampliado, que tem maior ligação com o PIB, cresceu 0,5% no quarto trimestre ante o terceiro trimestre. No primeiro trimestre de 2017, as vendas cresceram 3,5%; no segundo trimestre, 1,9%; no terceiro trimestre, 2,3%.

O economista Yan Cattani, da Pezco, analisa que o dado desfavorável de dezembro pode ser pontual, porque foi muito influenciado pelo setor de supermercados (-3%). “É importante analisar a mudança de tendência. Quase todos os setores subiram um ponto porcentual em média e continuam mostrando aumento gradual do consumo das famílias, com as condições de crédito mais estáveis”, diz.

Para os meses à frente, o efeito da queda do juro e do desemprego, principalmente, devem continuar a estimular o consumo em 2018.

“O resultado de dezembro foi um pouco mais fraco do que esperávamos. No entanto, entendemos que a recuperação em curso dos mercados de trabalho e de crédito deve favorecer uma retomada das vendas neste ano”, afirma o Banco Safra em relatório. O banco estima crescimento do PIB de 0,1% no quarto trimestre, 1% em 2017 e 3% em 2018.

Por enquanto, a GO Associados estima crescimento de 4,0% para as vendas do varejo restrito e alta de 6,0% para o ampliado em 2018.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!