Salário mínimo necessário para sustentar família volta a subir – Exame

O cálculo do salário mínimo “necessário” é feito mensalmente desde 1994 pelo Dieese com base no valor da cesta básica mais cara

access_time 9 fev 2018, 06h00

São Paulo – Qual é o valor suficiente “para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência”?

R$ 3.752,65, de acordo com uma estimativa divulgada do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O cálculo é feito mensalmente desde 1994 com base no valor da cesta básica mais cara, atualmente a de Porto Alegre (R$ 446,69), seguida do Rio de Janeiro (R$ 443,81) e São Paulo (R$ 439,20).

O custo da cesta básica aumentou em todas as 20 capitais analisadas em janeiro, com destaque para João Pessoa (11,91%), Brasília (9,67%), Natal (8,85%).

O resultado é que o salário mínimo “suficiente” de janeiro foi 167 reais mais alto do que os R$ 3.585,05 de dezembro, o valor mais baixo desde 2015.

Novo valor

Desde o começo do ano está valendo o novo valor do salário mínimo: R$ 954, um aumento de R$ 17 em relação ao ano anterior.

Foi o menor reajuste do salário mínimo em 24 anos. A fórmula para os aumentos foi estabelecida por lei em 2012, ainda no governo da então presidente Dilma Rousseff, e deve valer até 2019.

Ela determina que o reajuste anual tem como base a soma da variação do INPC (inflação para população de baixa renda) no ano anterior, acrescido da taxa de crescimento real do PIB dois anos antes.

O valor do reajuste do mínimo em 2018 acabou ficando um pouco abaixo da inflação por uma diferença na estimativa do governo, mas não será revisto.

Segundo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, a lei de reajuste do salário mínimo prevê que pequenas variações possam ocorrer, sendo compensadas no ano seguinte.

O salário mínimo “suficiente” atual de R$ 3.752,65 representa cerca de 3,9 vezes o valor do salário mínimo nominal.

Em janeiro do ano passado, a relação era levemente mais desigual: os R$ 3.811,29 do “necessário” representavam 4 vezes o valor do mínimo de R$ 937,00 então em vigor.

Consequências

Em um vídeo de 2015, o economista Carlos Eduardo Gonçalves previu consequências negativas se o salário mínimo “necessário” do Dieese fosse estabelecido por lei:

“O que vai acontecer com a pessoa hoje empregada que ganha um salário baixo? (…) Você acha que elas vão continuar todas empregadas ganhando R$ 3.700 ou elas vão ser mandadas emboras porque a contribuição delas pro produto final da empresa não vale esses R$ 3.700?”.

E veja o valor do salário mínimo real e “suficiente” em todos os meses desde 1994:

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!