Opinião Econômica: Indústria 4.0 – Jornal do Comércio – Jornal do Comércio

Na maioria dos países que costumam pensar uma geração à frente, existe uma enorme preocupação com a chamada “quarta revolução industrial”. Ela incorpora ao processo produtivo o uso das fantásticas novas tecnologias de informação e de inteligência artificial. Na velha indústria, a oferta em massa criava os produtos, mas limitava o poder de escolha da demanda. Na nova forma de organização da produção, há íntima interação entre a demanda individual e a estrutura produtiva que desde a origem gera o bem ou serviço que atende a uma particular demanda. As necessidades do consumidor individual controlam o processo produtivo.

Um exemplo cotidiano dessa modificação é testemunhado (mas não percebido) pela maioria dos adoradores de uma “boa cerveja”. Assiste-se a uma rápida multiplicação de minicervejarias (que ampliam a escolha do consumidor). Não é mais o fabricante em massa que impõe ao consumidor sua escolha, mas é o consumidor que controla a qualidade e a nova escala de produção.

O exemplo anedótico acima dá a dimensão da revolução que atinge a todos os setores industriais (cada vez menos separados dos serviços). Ela sugere que desde a produção de tecidos até o mais sofisticado bem de capital (“comoditizados”) passam a responder, instantaneamente, à necessidade de cada consumidor. O novo “mercado virtual” da “quarta revolução industrial” terá uma ligação imediata entre o consumidor final, que especifica o que deseja, e o produtor, que vai atendê-lo diretamente.

Nos países preocupados com o problema (Alemanha, China, Coreia do Sul, Inglaterra, França e EUA), aprendeu-se que tal ruptura da “filosofia produtiva” dificilmente poderá ser feita sem o suporte de uma política industrial bem construída pelo Estado. Ela envolve uma microeconomia que ainda está para ser desenvolvida, pois a “oferta” e a “procura” não são independentes. É por isso que os economistas que misturam “ciência” com a ideologia “liberalista” devem ressignificar a “política industrial” e tomar cuidado com suas opiniões dogmáticas apoiadas num marginalismo em via falimentar.

No Brasil, já temos alguns estudos sobre o problema. A ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial), a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) e o Senai de São Paulo têm explorado o conceito de minifábricas integradas aos consumidores. Para quem tem interesse, creio que uma boa referência sobre o assunto é o magnífico livro do engenheiro Flavio da Silveira Bruno (“A Quarta Revolução Industrial do Setor Têxtil e de Confecção”, 2ª edição, da editora Estação das Letras e Cores), ou consultar o senhor Fernando Valente Pimentel, presidente da Abit.

Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!