Arábia Saudita quer mercado de petróleo apertado a fim de pacto – Exame

Em vez de concluir precocemente um acordo sobre corte de produção, o ministro saudita de Energia afirma ser melhor desabastecer o mercado

Por Rania El Gamal e Andrew Torchia, da Reuters

access_time 14 fev 2018, 18h47

Riad – A Opep faria melhor em deixar o mercado de petróleo um pouco desabastecido em vez de concluir precocemente um acordo sobre corte de produção, disse o ministro saudita de Energia, Khalid al-Falih, nesta quarta-feira.

Os preços do petróleo caíram quase 15 por cento nas últimas três semanas, juntamente com um declínio mais amplo no mercado de ações, devido aos temores sobre a inflação global e o aumento da produção de petróleo nos Estados Unidos.

O declínio ocorre em um momento ruim para a Arábia Saudita, que precisa de preços de petróleo altos e estáveis para levar adiante a oferta pública de ações (IPO) da gigante Saudi Aramco, a qual tem potencial para ser a maior listagem de ações do mundo.

“Se tivermos de errar um pouco sobre o equilíbrio do mercado, que seja assim”, disse Falih depois de se encontrar com o ministro russo de Energia, Alexander Novak, em Riad.

Novak e outras autoridades russas também se reuniram com o rei saudita Salman na capital do país, nesta quarta-feira.

“Em vez de desistirmos muito cedo e descobrir que estávamos lidando com informações pouco confiáveis​​… (melhor) manter o curso e certificar-se de que os estoques estão nos níveis necessários à indústria”, disse Falih.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo, da qual a Arábia Saudita é líder de fato, concordou em prolongar os cortes de oferta de petróleo com a Rússia e outros produtores até o final de 2018.

Moscou, no entanto, sinalizou que uma saída gradual pode ser necessária a partir do segundo semestre deste ano.

Falih insistiu que os cortes continuarão em todo o ano de 2018 e, para evitar impactos ao mercado, qualquer saída depois seria muito gradual.

Nesta quarta-feira, Falih disse que a Opep e seus aliados teriam de considerar nos próximos meses como ajustar as metas, incluindo a forma de medir a média de cinco anos dos estoques de petróleo.

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!