Dólar tem a maior desvalorização desde 24 de janeiro – Valor

SÃO PAULO  –  A volta dos negócios no mercado cambial doméstico após o Carnaval foi marcada por forte queda do dólar no Brasil, que espelhou a fraqueza da moeda no exterior.

A cotação cedeu 2,31%, a R$ 3,2246, desvalorização mais intensa desde 24 de janeiro passado, data da condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4. O nível é o menor desde o último dia 2 de fevereiro (R$ 3,2149).

O real revezava, nesta quarta-feira (14), com o rand sul-africano o título de moeda com melhor desempenho no dia. Mas outras divisas associadas ao sentimento favorável a risco – como rublo russo (1,50%), won sul-coreano (1,34%), peso colombiano (1,31%) e dólar neozelandês (1,17%) – mostravam firmes ganhos.

A performance do real está relacionada a uma correção do atraso dos últimos dois pregões, quando os mercados internacionais recuperaram parte de perdas recentes. E esse movimento prosseguiu hoje, à medida que investidores não mantiveram o “susto” inicial com dados de inflação nos Estados Unidos.

Mesmo com os juros dos Treasuries de dez anos superando, nesta quarta,  2,9% e renovando máximas em quatro anos, o dólar permaneceu em firme queda e acelerou as perdas ao longo da tarde. Segundo analistas, dados de vendas no varejo – que vieram mais fracos – acabaram minimizando as preocupações com aumento da inflação e, portanto, não intensificaram tensões sobre mais altas de juros nos EUA.

Estrategistas do Morgan Stanley lembram a queda de 11% do barril do petróleo Brent ante máximas recentes e dizem que esse é um elemento que esfria expectativas de inflação muito mais alta à frente. De fato, uma parte da alta do CPI de janeiro veio dos preços dos combustíveis mais elevados.

“Nossos economistas projetam normalização da inflação [nos EUA], mas veem poucos motivos que endossem apostas em taxas muito mais altas, uma vez que forças desinflacionárias estruturais, incluindo o impacto da digitalização, seguem em curso”, dizem estrategistas em nota a clientes.

Sobre o dólar, eles acrescentam que a grande questão é que a expansão econômica continua e eleva a demanda por investimentos e, dessa forma, por capital. “E é essa crescente demanda por capital que está mantendo a pressão de venda contra o dólar, uma vez que os EUA oferecem disponibilidade de capital pronto para investimentos globais.”

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!