IGP-10 de fevereiro fica em 0,23% ante alta de 0,79% em janeiro, revela FGV – Jornal do Comércio

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) avançou 0,23% em fevereiro, após o aumento de 0,79% registrado em janeiro, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (15). Com o resultado, o IGP-10 acumulou um aumento de 1,02% no ano. A taxa em 12 meses ficou negativa em 0,42%.

No caso dos três indicadores que compõem o IGP-10 de fevereiro, os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram alta de 0,09% no mês, ante uma elevação de 1,06% em janeiro. Os preços ao consumidor verificados pelo IPC-10 apresentaram crescimento de 0,57% em fevereiro, após a alta de 0,36% em janeiro. Já o INCC-10, que mede os preços da construção civil, teve aumento de 0,32% em fevereiro, depois de um avanço de 0,08% em janeiro.

O período de coleta de preços para o indicador de fevereiro foi do dia 11 de janeiro a 10 deste mês. O IGP-DI, que apurou preços do dia 1º a 31 do mês passado, subiu 0,50%.

As famílias gastaram mais em fevereiro com alimentação, educação e transportes, o que pressionou a inflação ao consumidor no IGP-10, informou a FGV.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10) subiu 0,57% em fevereiro, após um aumento de 0,36% em janeiro. Cinco das oito classes de despesa registraram taxas de variação mais elevadas, com destaque para o grupo Educação, Leitura e Recreação, que passou de aumento de 0,65% em janeiro para crescimento de 2,01% em fevereiro. O item cursos formais subiu 3,93% este mês, ante uma alta de 1,79% no mês anterior.

Os demais acréscimos ocorreram nos grupos Transportes (de 0,85% para 1,27%), Alimentação (de 0,66% para 0,78%), Vestuário (de -0,27% para 0,20%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,41% para 0,50%). Houve influência dos itens tarifa de ônibus urbano (de 0,59% para 1,88%), hortaliças e legumes (de 5,78% para 11,56%), roupas (de -0,50% para 0,14%) e médico, dentista e outros (de 0,87% para 0,91%), respectivamente.

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas em Habitação (de -0,23% para -0,36%), Comunicação (de 0,20% para 0,10%) e Despesas Diversas (de 0,19% para 0,16%), sob impacto dos itens tarifa de eletricidade residencial (de -2,46% para -3,08%), pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,71% para 0,19%) e alimentos para animais domésticos (de 2,50% para -0,10%).

Os materiais de construção subiram mais em fevereiro, pressionando a inflação do setor dentro do IGP-10. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-10) subiu 0,32% em fevereiro, após uma elevação de 0,08% em janeiro.

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços teve expansão de 0,71% em fevereiro, ante um aumento de 0,16% registrado no mês anterior. Já o índice que representa o custo da Mão de Obra ficou estável (0,0%) em fevereiro, depois da leve alta de 0,02% em janeiro.

Os preços agropecuários medidos pelo IPA Agrícola recuaram 1,00% no atacado em fevereiro, após um aumento de 0,74% em janeiro, dentro do IGP-10. Já os preços dos produtos industriais, que são mensurados pelo IPA Industrial, tiveram alta de 0,45% este mês, após o avanço de 1,17% no atacado em janeiro.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram queda de 0,46% em fevereiro, ante uma elevação de 0,74% em janeiro.

Os preços dos bens intermediários tiveram avanço de 1,06% em fevereiro, após alta de 0,68% no mês anterior. Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram recuo de 0,40%, depois do aumento de 1,95% em janeiro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!