Juros descolam da pressão no câmbio e fecham em queda com ata do Copom – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta quinta-feira (15) em queda nos vencimentos de curto e médio prazos, enquanto os vértices longos terminaram estáveis. A reação do mercado à ata do Comitê de Política Monetária (Copom) continuou dominando os negócios no período da tarde e serviu de anteparo para as taxas ao aumento da pressão no câmbio.

O dólar ampliou os ganhos ante o real e renovou máximas na última hora, refletindo uma correção da forte queda de quarta-feira, que, por sua vez, vem atraindo fluxo de compra de importadores.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou com taxa de 6,655%, ante 6,690% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2020 fechou com taxa de 7,83%, de 7,89% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2021 caiu de 8,76% para 8,72%. O DI para janeiro de 2023 terminou com taxa de 9,53%, de 9,54%.

O alívio de prêmios na curva a termo foi atribuído principalmente à leitura da ata, na medida em que abriu um pouco mais a fresta deixada pelo comunicado para uma eventual nova redução da Selic na reunião de março. O mercado, no entanto, segue dando maior probabilidade para a manutenção da taxa básica atual patamar de 6,75%.

“A ata, mais ‘dovish’ (leve), deixou flexibilidade suficiente para um corte, que vai depender das próximas leituras de inflação. E isso tem feito preço na parte mais curta da curva desde cedo”, disse o economista Ignácio Crespo, da Guide Investimentos. Em consequência do alívio na parte curta por causa da ata, os juros longos ficaram mais perto da estabilidade.

Nos demais ativos, às 16h23, o dólar à vista subia 0,42%, aos R$ 3,2344, na contramão da tendência de queda que prevalece no exterior.

A movimentação em torno da reforma da Previdência é acompanhada pelo mercado, mas não chega a fazer preço nesta quinta-feira. No período da tarde, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que a situação tem que se definir” para que outras matérias possam ser apreciadas.

Jucá ponderou que torce para que a reforma seja aprovada na Câmara, mas que a matéria está “fora dos seus poderes” e que a discussão sobre o tema deve ser comandada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!