Mercado financeiro reduz projeção de inflação – Jornal do Comércio

O mercado financeiro reduziu, pela segunda semana seguida, a projeção para a inflação neste ano. A estimativa para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) caiu de 3,94% para 3,84%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação semanal do Banco Central (BC) sobre os principais indicadores econômicos.

A projeção segue abaixo do centro da meta de 4,5%, mas acima do limite inferior de 3%. Para 2019, a estimativa para a inflação está no centro da meta, em 4,25%.

Para alcançar a meta, o banco usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,75% ao ano. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação. De acordo com a previsão das instituições financeiras, a Selic encerrará 2018 no atual patamar e subirá ao longo de 2019, encerrando o período em 8% ao ano.

A estimativa do mercado financeiro para a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) permanece em 2,70% neste ano e em 3% em 2019. No câmbio, a perspectiva para a cotação do dólar ao final de 2018 segue em R$ 3,30. Para o fim de 2019, a projeção passou de R$ 3,40 para R$ 3,39.

A instituições financeiras também projetam que a dívida líquida do setor público deve encerrar 2018 em 55,5% do PIB. Para o fim de 2019, a projeção é 57,9% do PIB.

Os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a balança comercial em 2018. A estimativa de superávit comercial neste ano subiu de US$ 54,04 bilhões para US$ 54,50 bilhões da última semana para esta, ante US$ 53,00 bilhões de um mês antes. Para 2019, a estimativa de superávit seguiu em US$ 45,00 bilhões, mesmo valor de um mês antes.

O mercado alterou a projeção de rombo nas contas externas em 2019, de US$ 39,70 bilhões para US$ 38,50 bilhões. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 40,00 bilhões.

Para os analistas consultados semanalmente, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o resultado deficitário, tanto em 2018 quanto em 2019. A mediana das previsões para o IDP neste ano seguiu em US$ 80,00 bilhões. Há um mês, estava no mesmo patamar.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!