Reforma fiscal é fundamental para inflação baixa, reforça Copom – Exame

Para o BC, a aprovação das reformas também é importante para o funcionamento da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural

Por Estadão Conteúdo

access_time 15 fev 2018, 10h34

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reafirmou nesta quinta-feira, 15, na ata do encontro da semana passada, a ênfase de que a aprovação das reformas fiscais – como a da Previdência – e de ajustes na economia são fundamentais para a sustentabilidade do ambiente com inflação baixa e estável.

Para o BC, a aprovação das reformas também é importante para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural da economia, com amplos benefícios para a sociedade.

O Copom destacou ainda a importância de outras iniciativas que visam aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios. “Esses esforços são fundamentais para a retomada da atividade econômica e da trajetória de desenvolvimento da economia brasileira”, afirmou o documento.

Segmentos da inflação

A ata do Copom dedicou dois parágrafos aos aumentos de preços verificados nos setores de energia elétrica e combustíveis. O documento mostra que os membros do colegiado debateram os impactos das alterações recentes das bandeiras tarifárias e a evolução dos preços dos combustíveis. A avaliação é de que “ambos os preços passaram a apresentar maior volatilidade ao longo do ano passado”.

Para os membros do Copom, apesar da elevação, a política monetária deve combater apenas os “efeitos secundários” desses choques. “O Comitê reitera que sua reação a possíveis mudanças de preços relativos, como nos casos de alimentos e de eventuais reajustes de tarifas de energia elétrica e de preços de combustíveis, será simétrica, ou seja, a política monetária seguirá os mesmos princípios tanto diante de choques de oferta inflacionários quanto desinflacionários”, registrou o documento.

Na ata do encontro de dezembro do Copom, os membros do colegiado já haviam discutido os impactos das bandeiras tarifárias de energia sobre a inflação, mas a questão dos reajustes dos combustíveis ainda não havia sido explicitada. Isso foi feito na ata divulgada nesta quinta.

No documento, os membros também voltaram a destacar que “algumas medidas de inflação subjacente encontram-se em níveis confortáveis e outras em níveis baixos”. “Debateram também em que medida suas trajetórias são compatíveis com a convergência da inflação em direção à meta no horizonte relevante para a política monetária. De um lado, a permanência de medidas de inflação subjacente em patamares baixos constitui risco baixista para a trajetória prospectiva para a inflação”, acrescentou o BC na ata.

Por outro lado, conforme o BC, “permanece a expectativa de que a recuperação da atividade econômica contribua para a elevação da inflação subjacente rumo à meta no horizonte relevante”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!