Segunda maior refinaria da Petrobras deve parar na semana que vem, diz sindicato – Jornal do Comércio

O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) informou em seu site que a refinaria Landulpho Alves – Mataripe (Rlam), segunda maior do Brasil, deve iniciar sua parada de produção na próxima semana. O corte de carga da U-32, principal unidade de destilação da refinaria, está previsto para terça (20).

Localizada no Recôncavo Baiano, a Rlam tem produção diária de 323 mil barris de derivados e atende principalmente os estados da Bahia e Sergipe, além de outros estados da região Norte e Nordeste. Alguns produtos são exportados para Estados Unidos, Argentina e países da Europa.

Segundo o diretor do Sindipetro-BA Ivo Saraiva, porém, a unidade estaria trabalhando com apenas 51% da sua capacidade e sem lugar para estocar derivados, por isso a Petrobras decidiu parar a produção.

“O mínimo para a refinaria operar em segurança são 145 mil barris diários e está quase chegando lá, porque não tem mais onde estocar diesel, por isso vão parar, perderam espaço para a importação”, informou Saraiva, que trabalha na Rlam. Ele explica que desde que a Petrobras começou a aplicar paridade de preços dos seus derivados em relação ao mercado internacional vem perdendo terreno para importadores de combustíveis, principalmente diesel e gasolina.

De acordo com Saraiva, em 2016 o mercado baiano de derivados era atendido em apenas 4% do total consumido por importação. Em dezembro de 2017, esse volume seria o correspondente a 22% do mercado. O sindicato convocou assembleia para o dia 20, primeiro dia da parada de produção, para decidir o que poderão fazer em relação à refinaria e exigir mais esclarecimentos da empresa. Ele alerta que geralmente as paradas programadas ocorrem de 6 em 6 anos. No caso da Rlam, a última foi feita há apenas dois anos, disse o diretor.

“Não é uma parada programada normal, eles vêm reduzindo a carga processada de dois anos para cá, nunca vi uma empresa abrir mercado para os próprios concorrentes”, criticou Saraiva, referindo-se à paridade de preços com o mercado internacional que vem aumentando o volume importado. Procurada, a Petrobras não se pronunciou até o fechamento desta reportagem.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!