Diretor da OMC: “Não há guerra comercial, mas ela pode acontecer” – Exame

Genebra- O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevêdo, descartou o perigo iminente de uma guerra comercial por causa do protecionismo impulsionado por alguns países, embora admita que ela “possa acontecer” e advertiu de um efeito dominó difícil de parar no caso de um aumento de medidas unilaterais e respostas recíprocas.

“Eu disse muitas vezes que uma guerra comercial seria um palco catastrófico para todos. Eu não vejo neste momento uma guerra comercial em curso. Mas pode vir e a guerra comercial começa, sobretudo, quando se começa com a adoção de medidas unilaterais”, disse Azevêdo em entrevista à Agência Efe.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descartou uma guerra comercial em represália à sua decisão de impor tarifas sobre importações de placas e células solares, entre outros produtos procedentes da Ásia, mas já há vozes, inclusive nas fileiras republicanas, que alertam desta possibilidade e pedem cautela.

Azevêdo destacou que as medidas de salvaguarda não são unilaterais, mas há “uma investigação e um processo que pode ser questionado na OMC e existem todo o tempo”.

“O problema está em se vamos ver uma aceleração de medidas restritivas, uma quantidade de medidas unilaterais, voluntárias, arbitrárias que podem ser questionada aqui também, mas que podem estimular outros países a fazer o mesmo. Esse é o risco”, destacou Azevêdo.

Segundo sua opinião, “isso sim pode levar a uma situação de efeito dominó que vai ser difícil de parar”.

Azevêdo afirmou que, “apesar de toda esta discussão sobre protecionismo e medidas unilaterais, o comércio vai bem “e que desde 2008 todas as medidas restritivas que têm sido impostas até hoje afetam apenas 5% do comércio mundial.

Enquanto em 2016 o crescimento do comércio mundial foi de apenas 1,3%, a OMC espera confirmar em breve para 2017 uma expansão de cerca de 3,6%, e Azevêdo confia em um dado similar para 2018.

Diante da defesa dos EUA de um comércio justo com benefícios recíprocos e no qual se cumpram as regras, Azevêdo ressaltou que “todos querem um comércio justo e um comércio que seja equilibrado”.

“O problema está em que a justiça do comércio, o equilíbrio do comércio depende da visão de cada um “, afirmou o diretor-geral da OMC.

Sobre o desejo dos EUA de reformar ou revitalizar a OMC, Azevêdo disse que a atualização da organização “é uma meta que tem objetivos diferentes de país para país, e que o que um país vê como uma avanço outro o vê como um retrocesso”.

“Encontrar uma uniformidade de visão a respeito dos temas que precisam ser atualizados, aperfeiçoados, é um desafio muito grande”, declarou o titular da OMC.

Azevêdo, que admitiu sua preocupação com o bloqueio dos EUA à nomeação de candidatos para cobrir as vagas no órgão de apelação da OMC, enfatizou que se está “reformando a organização a cada minuto”.

“Em 2013 a reformamos, em 2015 a reformamos. O livro que tínhamos desde 1995 que não era trocado já se trocou. E a cada vez que chegamos a uma decisão importante se está reformando a organização. Não é uma estrutura imóvel”, ressaltou Azevêdo.

O “livro” traz todas as emendas e retificações aos acordos da OMC e os seus anexos até setembro de 2017 e foi apresentado na reunião ministerial de Buenos Aires de dezembro do ano passado.

Na capital argentina os ministros não chegaram a acordos, mas Azevêdo minimizou a falta de resultados concretos.

“Não tínhamos acordos multilaterais de 1995 até 2013”, ano no qual aconteceu o Acordo sobre Facilitação do Comércio, explicou, acrescentando que em 2015 se chegou a outro que elimina as subvenções às exportações agrícolas.

O titular da OMC defendeu que o importante é que houve um pronunciamento dos membros de “continuar falando e tentar conseguir resultados objetivos e práticos, por exemplo nas subvenções da pesca até o próximo ano”.

Também houve disposição para abordar questões novas, como o comércio eletrônico, a facilitação de investimentos, as pequenas e médias empresas e o empoderamento das mulheres, explicou Azevêdo.

“Há muitas coisas que estão sendo acrescentadas agregando às discussões, além da disposição de avançar nos temas da Rodada de Doha que são muito difíceis e que já estão conosco há muito tempo, como a agricultura, mas também os serviços e outros”, detalhou.

Segundo sua opinião, “é uma agenda importante a que há pela frente. Tudo vai depender do trabalho que vamos desenvolver”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!