JBS Biodiesel espera maior produção com novas matérias-primas – Exame

A unidade de biocombustível da gigante global de carnes JBS investirá 5,5 milhões de reais para agregar gorduras de frango e suínos na produção de biodiesel

Por Roberto Samora, da Reuters

access_time 16 fev 2018, 18h45

São Paulo – A JBS Biodiesel, unidade de biocombustível da gigante global de carnes JBS, investirá 5,5 milhões de reais para agregar gorduras de frango e suínos na produção de biodiesel, como forma de ampliar a matriz de suas matérias-primas, de olho no crescimento do mercado brasileiro do combustível renovável.

A divisão de biodiesel da JBS, que está entre as dez companhias do setor no Brasil e que fatura cerca de 700 milhões de reais ao ano, prevê produzir no biênio 2018-2019 em torno de 500 milhões de litros, na esteira de um aumento da demanda pela maior mistura obrigatória no diesel (B10) a partir de março e também com o impulso no consumo pela recuperação da economia.

Com essa meta, a companhia poderia produzir 250 milhões de litros em 2018 e o restante no ano que vem, o que representaria um crescimento anual de quase 20 por cento ante 2017, quando produziu 210 milhões de litros, afirmou o diretor da JBS Biodiesel, Alexandre Pereira, em entrevista à Reuters.

Atualmente, a JBS utiliza predominantemente o sebo bovino como matéria-prima para a produção de biodiesel nas suas duas unidades em Lins (SP) e Campo Verde (MT), além de óleo de fritura.

Apesar da expectativa de crescimento da produção e do mercado, ele ressaltou que o nível de aumento da fabricação da divisão de biodiesel da JBS, com capacidade autorizada de quase 310 milhões de litros, dependerá das margens de lucro.

“A nossa preocupação maior é trazer rentabilidade para o negócio, a nossa busca por volume vai acontecer naturalmente, à medida que tenhamos rentabilidade. A nossa preocupação é com margens, às vezes o volume não traz a margem desejada”, declarou Pereira, que está perto de completar sete anos na companhia.

Do total de biodiesel produzido pela JBS, 25 milhões de litros foram feitos a partir do óleo de fritura, obtido por meio do programa de coleta Óleo Amigo e também por compra de terceiros –em todo o país, a produção a partir dessa matéria-prima somou 45 milhões de litros.

A JBS Biodiesel bateu recentemente seu recorde de venda do combustível no primeiro leilão para a mistura B10 –10 por cento de biodiesel no diesel, que substituirá o B8– e comercializou 50 milhões de litros.

“Estamos muito otimistas em relação à nova demanda gerada pelo B10, que gera aumento de 25 por cento na demanda, isso traz um alívio para o produtor de biodiesel no Brasil, que realmente estava sufocado com oferta muito superior à demanda”, disse o executivo.

Ele lembrou que a demanda pode aumentar ainda mais, além daquela relacionada à mistura obrigatória maior, em razão da recuperação da economia, que acaba tendo impacto no combustível mais consumido no país, o diesel.

Somente com a introdução do B10, a demanda estimada por biodiesel no Brasil, fabricado majoritariamente a partir de óleo de soja (entre 75 e 80 por cento), deve aumentar em 1 bilhão de litros em 2018, para mais de 5 bilhões de litros.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!