Juros de curto prazo reforçam aposta em corte da Selic em março – Valor

SÃO PAULO  –  O mercado financeiro passou nesta sexta-feira (16) a ver como majoritária a chance de corte da Selic em março. Os contratos de DI embutem, hoje, 54% de probabilidade de declínio do juro no mês que vem, contra 41% na quinta-feira (15). Com quase 300 mil contratos negociados, o DI julho/2018 – que reflete apostas para a decisão do Copom de março – foi, nesta sexta-feira, o mais negociado de todos os 37 vértices do mercado de juros futuros disponíveis para operações.

O fortalecimento das apostas do mercado na extensão do ciclo de afrouxamento monetário vem na esteira da melhora do ambiente para ativos de risco no exterior, que no Brasil leva o dólar a anular as altas contabilizadas após o “crash relâmpago” que derrubou Wall Street, na semana passada.

Com um dólar mais fraco, o mercado vê argumentos para estimar uma inflação mais baixa, cenário que vem sendo contemplado com mais força desde que o IPCA de janeiro surpreendeu para baixo. E também diante de perspectivas de que os alimentos possam voltar a contribuir de forma benigna nos índices de preços, em meio a algumas previsões de nova safra recorde.

Os investidores mais convictos na continuidade da queda dos juros têm pela frente um dado que pode fortalecer suas apostas. O IPCA-15 de fevereiro será reportado na sexta-feira (23). De forma geral, espera-se aceleração ante a taxa de 0,39% de janeiro. Mas, pelo menos nas contas do BNP Paribas, a inflação em 12 meses deve cair de 3,02% para 2,93%.

Estrategistas do Morgan Stanley projetam que o IPCA-15 de 12 meses deva ficar em torno de 3%. “Deveremos ver uma reversão dos preços dos alimentos, como já apontada por prévias de IGPs e também pesquisas de preços. E isso deve levar a variação de preço dos alimentos novamente para território negativo nos próximos meses”, dizem os profissionais em nota.

Outro dado que será bastante aguardado é o IBC-Br de dezembro, a ser divulgado já na segunda-feira (19). O UBS estima que o IBC-Br aumente 2,2% sobre dezembro de 2016, confirmando crescimento de 1% no fechado de 2017.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI julho/2018 marcava 6,540% ao ano (6,56% no ajuste anterior), o DI janeiro/2019 cedia a 6,625% (6,655% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2020 recuava para 7,720% (7,83% no ajuste anterior)

Prêmio de risco em queda 

Os juros dos trechos médios e longos também recuaram hoje, levando algumas medidas de prêmio de risco a mínimas desde o fim de janeiro, logo após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo TRF-4 e antes do “sell-off” nos mercados globais de ações.

O spread entre os DIs janeiro/2021 e janeiro/2019 caiu, na sessão desta sexta, 6 pontos-base, maior baixa desde 24 de janeiro – data do julgamento de Lula. A diferença está agora em 200,5 pontos-base, igualando-se à do dia 30 de janeiro e a menor desde o dia 26 daquele mês (195 pontos-base).

O “trade” de queda da inclinação é compartilhado pelo BofA. O banco segue com posição que ganha com a redução do spread entre os DIs janeiro/2021 e julho/2018. Em 2018, esse spread já caiu 32 pontos-base, para 209 pontos-base, mínima do ano.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI janeiro/2021 tinha queda a 8,630%, mínima do ano, ante 8,72% do ajuste anterior. Já o DI janeiro/2023 caía a 9,480%, menor nível desde 26 de janeiro (9,47%) e bem abaixo do ajuste de ontem (9,53%).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!