Mercado minimiza reforma e dólar passa a cair com exterior e dados locais – Jornal do Comércio

O dólar passou a cair ante o real sob influência externa nesta sexta-feira (16) após abrir com viés de alta em meio a ajustes. Os investidores se ajustam ao viés negativo da moeda americana frente a divisas principais e as ligadas a commodities no exterior, segundo o gerente de mesa de derivativos de uma gestora de recursos. Para ele, a leve alta inicial refletiu ajustes habituais de início de sessão.

A fonte afirma que o mercado minimiza a possível suspensão da reforma da Previdência, cuja apreciação estava prevista para começar na próxima semana, por causa da decisão do governo de decretar intervenção na segurança do Rio. O anúncio oficial da intervenção poderá ser feito à tarde, segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A decisão do governo foi tomada na madrugada desta sexta-feira (16). Pela legislação, enquanto a intervenção vigorar, não pode haver alteração na Constituição. Ou seja, nenhuma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), como é o caso da reforma da Previdência, pode ser aprovada. Uma ideia é decretar a intervenção e suspender seus efeitos apenas por um dia, para a votação das mudanças nas regras da aposentadoria.

A consultoria Rosenberg disse ao Broadcast, mais cedo, que a percepção já era de não aprovação da reforma e que os mercados devem seguir o cenário externo.

O mesmo gerente de mesa de derivativos mencionado atribui ainda a inversão de sinal do dólar para o lado negativo ao bom humor dos investidores com a inflação doméstica e os dados de serviços também ajudam. Além disso, ele destacou a arrecadação da Receita Federal em 2017 e sobretudo em relação à cobrança dos inadimplentes. “Isso ajuda pelo lado fiscal do governo e anima os investidores”, avalia.

O volume de serviços prestados no País teve um avanço de 1,3% em dezembro de 2017 ante novembro, na série com ajuste sazonal. No mês anterior, houve alta de 1,0%. O resultado de dezembro ante novembro veio bem mais forte que a mediana das estimativas do mercado financeiro (+0,25%).

O dado ficou dentro do intervalo das 18 estimativas captadas pelo Projeções Broadcast, que iam de recuo de 0,40% a elevação de 1,80%. Na comparação com dezembro do ano anterior, houve elevação de 0,50% em dezembro de 2017, já descontado o efeito da inflação. O resultado superou o teto do intervalo das projeções, que iam de uma queda de 1,50% a crescimento de 0,30%, com mediana negativa de 0,50%.

Lá fora, preocupações crescentes com o tamanho dos déficits dos EUA, especificamente como Washington irá financiar tanto os gastos do governo quanto cortes de impostos, pesam contra o dólar. Mais cedo, o iene atingiu nova máxima em 15 meses em relação ao dólar, enquanto o euro avançou ao maior valor do ano. “No curto prazo, não prevemos muito que possa virar essa tendência negativa do dólar,” diz o ING, estimando que o euro/dólar poderá em breve testar a barreira de US$ 1,2670.

Às 9h36min desta sexta, o dólar à vista caía 0,18%, aos R$ 3,2237. O dólar futuro de março recuava 0,28%, aos R$ 3,2290.

Mais cedo foi revelado que o IPC-S desacelerou de 0,70% na primeira leitura do mês para 0,46% na segunda quadrissemana. Já o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo, desacelerou de 0,25% na primeira leitura do mês para 0,03% na segunda quadrissemana.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!