Oposição critica intervenção; alega desvio de foco da Previdência – Exame

Parlamentares consideraram a medida como excessiva, e citaram que a tentativa do governo é desviar o foco da “derrota” na reforma da Previdência

Por Daniel Weterman, do Estadão Conteúdo

access_time 16 fev 2018, 14h54

São Paulo – A intervenção federal na segurança pública do Rio, decretada pelo presidente Michel Temer nesta sexta-feira, 16, provoca reações negativas de integrantes da oposição nas redes sociais. Ainda antes do decreto ser assinado, parlamentares criticaram a medida, que consideram ser excessiva, e citaram que a tentativa do governo é desviar o foco após a “derrota” na reforma da Previdência, cuja tramitação sofre ainda mais incertezas após a medida anunciada nesta sexta-feira.

A tese de que a situação está sendo usada pelo governo para desviar o foco da reforma foi endossada pela presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR). “Sem votos para aprovar a reforma da Previdência governo muda pauta e aceita pedido de intervenção no Rio. A situação da segurança lá é grave, mas fiquemos alertas que pode vir junto mais repressão aos movimentos sociais e mais suspensão de direitos constitucionais”, disse a senadora, em texto publicado no Twitter.

O deputado federal Wadih Damous (PT), que é do Rio de Janeiro, criticou o governador Fernando Pezão (MDB) e considerou a intervenção uma medida excessiva. “Incompetência do governador, cujo governo não elaborou plano de segurança pública para o carnaval, não é motivo de para intervenção federal. O ilegítimo tenta encobrir fraquezas e as vítimas serão os pobres e favelados”, disse o parlamentar, na mesma rede social. “O que precisamos no Rio é de uma intervenção popular”, completou.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), em sua conta no Twitter, classificou a intervenção como “desnecessária” e relacionou a medida com a tensão envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tenta reverter condenação em segunda instância. “A intervenção no Rio é mais um passo da quebra do pacto democrático no País. Medida desnecessária, é a radicalização que o governo promove frente as greves que se avizinham e a tensão contra a ameaça de prisão do Lula pode levar. Os setores democráticos devem rechaçar essa medida.”

Já o senador Renan Calheiros (MDB-AL) cobrou uma ação maior do governo na ajuda aos Estados. “A intervenção é inevitável. Mas, a continuar a omissão na segurança pública e no apoio aos estados, todo mês teremos novas ocupações com danos à democracia”.

O parlamentar, antes aliado ao governo Michel Temer, chegou a comemorar a intervenção, considerando que a medida pode interromper a tramitação da reforma da Previdência no Congresso. Renan é contrário à emenda proposta por Temer para mudar as regras de aposentadoria. “Pelo menos, a maldade com as aposentadorias fica constitucionalmente suspensa”, escreveu no Twitter.

O tema é um dos assuntos mais comentados no Twitter nesta sexta-feira. O termo “intervenção militar”, “forças armadas”, “exército” e “segurança” estão entre os temas mais comentados pelos internautas na rede social. Nas publicações, é possível verificar que há uma confusão entre a medida decretada por Temer e uma intervenção das Forças Armadas semelhante ao governo militar.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!