Portugal tem crescimento mais rápido dos últimos 17 anos – Exame

A expansão portuguesa, que já dura 15 trimestres consecutivos, mostra um forte contraste com as dificuldades recentes que o país teve que enfrentar

access_time 17 fev 2018, 06h00

São Paulo – A economia de Portugal cresceu 2,7% em 2017, de acordo com estimativas anunciadas na quarta-feira (14) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa veio muito acima dos 1,6% de crescimento de 2016 e é a mais alta desde os 3,8% registrados em 2000.

O resultado positivo foi atribuído a uma aceleração da demanda doméstica e do investimento, sem grande alteração no setor externo em relação ao ano anterior.

Mas houve contribuição importante de setores como o de turismo, que responde por cerca de um décimo do PIB do país.

As receitas totais dos hotéis, incluindo o turismo doméstico, cresceram quase 17% no ano enquanto o número de turistas estrangeiros cresceu 12% e atingiu o recorde de 12,7 milhões de pessoas.

Histórico

O crescimento português não é tão impressionante considerando o contexto europeu, já que a zona do euro registrou crescimento de 2,5% no ano, o mais alto em uma década.

Mas a expansão portuguesa, que já dura 15 trimestres consecutivos, mostra um forte contraste com as dificuldades recentes que o país teve que enfrentar.

Entre 2011 e 2014, Portugal precisou se submeter a um pacote de resgate da União Europeia e o Fundo Monetário Internacional no valor total de 80 bilhões de euros para se manter solvente.

O país cortou gastos e aumentou impostos com um pacote de austeridade que contribuiu para quatro anos de recessão (2009, 2011, 2012 e 2013).

Mas com a volta do crescimento, o Orçamento português ganha um respiro e o déficit foi reduzido para apenas 0,1% do PIB nos 12 meses terminados em setembro.

Com isso, a projeção é que a relação entre dívida e PIB tenha caído pela primeira vez em quase duas décadas: de 130% em 2016 para para 126% em 2017.

No final do ano passado, a agência de classificação de risco Fitch elevou de BB+ para BBB o rating do país, citando a “dinâmica favorável à trajetória da dívida”.

Com isso, Portugal voltou a ter o grau de investimento pela agência, selo que havia perdido em novembro de 2011.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!