Espanha se prepara para voltar à cúpula do Banco Central Europeu – Exame

O ministro espanhol Luis de Guindos tornou-se o único candidato à vice-presidência da instituição, após a saída de última hora de seu rival irlandês

Por AFP

access_time 19 fev 2018, 14h24

O ministro espanhol Luis de Guindos tornou-se, nesta segunda-feira (19), o único candidato à vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE), após a saída de última hora de seu rival irlandês, abrindo caminho para a Espanha voltar à cúpula do instituto emissor.

“É importante e do interesse do BCE que a decisão se baseie no consenso, então eu retirarei [o candidato irlandês] Philip Lane”, disse o ministro de Finanças da Irlanda Paschal Donohoe. Ele afirmou já ter falado com De Guindos, a quem desejou “a melhor sorte”.

A Espanha, quarta maior economia da zona do euro, apresentou seu ministro da Economia à vice-presidência da instituição com sede em Frankfurt, na Alemanha, com o objetivo de voltar ao alto escalão do poder de decisão.

Os ministros das Finanças europeus devem agora propôr formalmente a candidatura do espanhol aos líderes da UE, que, em meados de março, devem dar sua aprovação final, depois de consultar a Eurocâmara e o próprio BCE.

Embora sua opinião seja apenas consultiva, a comissão da Economia da Eurocâmara considerou “mais convincente” a audiência informal a portas fechadas de Lane, governador do Banco Central da Irlanda, frente à candidatura espanhola.

Se De Guindos for nomeado, a vice-presidência do BCE, atualmente exercida pelo português Vítor Constâncio, será controlada, a partir de 1 de junho, pelo arquiteto dos planos de austeridade aplicados na Espanha após o resgate europeu do setor bancário em 2012.

‘Milagre’ espanhol

De Guindos protagonizou o “milagre da recuperação econômica” da Espanha, disse, antes de saber da saída do irlandês, a ministra espanhola de Agricultura, Isabel García Tejerina, para quem isso lhe habilita a qualquer cargo de responsabilidade “a nível europeu”.

“Ele é um homem competente, que saberá aplicar, ou afirmar, sua experiência em suas novas funções”, disse o Comissário Europeu para Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, antes da reunião.

A designação da vice-presidência abre um período de renovação de postos-chave no BCE, cujo presidente, Mario Draghi, deve deixar as funções em 31 de outubro de 2019. Com a escolha do espanhol, as portas para um presidente do norte ficam abertas, segundo analistas.

“Se for De Guindos, isso que dizer que alguém do norte será nomeado para ficar à frente do BCE”, opinou Philippe Waechter, diretor de pesquisa econômica na Natixis, que considerou “obscuro e opaco” o processo de seleção do presidente da instituição.

Entre os possíveis sucessores de Draghi, estão governadores de bancos centrais das principais economias da zona do euro, como o alemão Jens Weidmann e o francês François Villeroy de Galhau.

A Eurocâmara deve manter sua pressão para encontrar um equilíbrio de gênero – especialmente quando a única mulher entre os seis membros da diretoria é a alemã Sabine Lautenschläger.

Em 2012, os deputados europeus rechaçaram a candidatura do luxemburguês Yves Mersch, que acabou vencendo o espanhol Antonio Sáinz de Vicuña na disputa por uma vaga no comitê-executivo do BCE. Sua nomeação significou a saída da Espanha dos integrantes da cúpula.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!