Ibovespa fecha em alta de 0,32%, aos 84.792,70 pontos – Jornal do Comércio

Com o feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos, que manteve fechados os mercados em Nova Iorque, o Ibovespa operou durante todo o pregão desta segunda-feira (19) em leve alta. Na primeira etapa da sessão de negócios, ensaiou furar o patamar dos 85 mil pontos em um dia de vencimento de opções. Entretanto, faltou força para chegar lá. O índice à vista encerrou valorizado em 0,32%, aos 84.792,70 pontos.

Na análise de Pedro Paulo Silveira, economista-chefe Nova Futura CTVM, a bolsa se sustentou em terreno positivo, sendo amparada não apenas pelas perspectivas para um ambiente positivo, principalmente no plano doméstico, mas em dados que seguem confirmando isso. “Seguimos vendo e confirmando o tempo todo esse cenário. Do ponto de vista corporativo, as coisas seguem acontecendo positivamente bem”, afirmou.

Além disso, do ponto de vista macroeconômico, as estimativas para o crescimento da economia seguem firmes. Hoje o Banco Central divulgou que o IBC-Br subiu 1,40% em dezembro ante novembro e 1,04% no ano passado.

Na sessão desta segunda-feira, se, por um lado, as ações da Petrobras – ajudadas pelo petróleo e por notícias corporativas – contribuíram para sustentar a bolsa pelo terreno positivo, por outro, o setor bancário operou na contramão em um movimento baixista, devolvendo os ganhos robustos apurados desde janeiro. Os papéis da estatal ON e PN tiveram alta de 2,80% e 3,24%, respectivamente. As ações do Itaú Unibanco PN fecharam em baixa de 0,79%, as do Banco do Brasil ON recuaram 1,66% e as Bradesco PN perderam 0,49%.

Muito embora o governo sinalizasse na sexta-feira passada para a continuidade das discussões da reforma da Previdência, analistas são unânimes em dizer que não contam mais com isso. “O mercado já descartou a Previdência; não pressiona mais para baixo. Tanto que o Ibovespa está rondando os 85 mil pontos hoje, mesmo com a suspensão das reuniões. Mas, se por um acaso, aprovar, pode vir a fazer preço para cima”, disse Ivan Kraiser, gestor-chefe da Garín Investimentos, para quem o fato de o governo optar por colocar foco sobre a segurança foi uma “jogada” para acenar positivamente para a opinião pública.

Com a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro, o texto da reforma foi retirado da pauta do plenário da Câmara dos Deputados.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!