Reguladores não têm pressa para definir regras para fintechs – Exame

Reguladores avaliaram como as chamadas fintechs podem prejudicar o modelo de negócios dos bancos, ao oferecer serviços como pagamentos e bancos digitais

Por Huw Jones, da Reuters

access_time 19 fev 2018, 15h17

Londres – Reguladores bancários globais sinalizaram nesta segunda-feira que não estão com pressa para adaptar suas regras às plataformas de tecnologia financeira que começaram a morder os mercados dos bancos tradicionais.

Os reguladores avaliaram como as chamadas fintechs podem prejudicar o modelo de negócios dos bancos, ao oferecer serviços de pagamentos, crowdfunding, bancos digitais e comércio online.

“Apesar do frisson, do volume de investimentos e do número significativo de produtos e serviços financeiros derivados de inovações das fintechs, os volumes hoje ainda são baixos em relação ao tamanho do setor de serviços financeiros globais”, disse o Comitê de Basileia de Supervisão Bancária em relatório sobre implicações das fintechs para bancos e reguladores.

Analistas dizem que bancos podem se tornar irrelevantes à medida que fintechs se tornam a “face” dos serviços financeiros, um cenário que para o comitê de Basileira parece exagerado.

“Um tema comum em vários cenários é que os bancos terão dificuldade de manter seus atuais modelos operacionais, dada a mudança tecnológica e as expectativas dos clientes”, de acordo com o relatório. “Como resultado, o alcance e a natureza dos riscos e atividades dos bancos estão mudando rapidamente e as regras que os governam também precisam evoluir”.

O comitê define as regras para os maiores bancos que operam em todos os principais centros financeiros do mundo. O comitê analisou os riscos e as oportunidades geradas pelas fintechs antes de considerar se são necessárias novas regras.

“O rápido ritmo de mudança das fintechs faz com que a avaliação do impacto potencial nos bancos e seus modelos de negócios seja desafiadora”, disse o órgão.

Os próprios reguladores devem avaliar se seus funcionários estão sendo treinados adequadamente para acompanhar as mudanças tecnológicas nos serviços financeiros, acrescentou a entidade.

Os reguladores evitaram impor uma forte regulamentação em um setor novo, cientes que as autoridades têm interesse em manter seus centros financeiros atraentes para iniciantes, dado o potencial de empregos e crescimento que eles apresentam.

Também nesta segunda-feira, a Autoridade de Conduta Financeira da Grã-Bretanha e a Comissão de Negociação de Futuros de Commidities dos Estados Unidos assinaram acordo para colaborar no apoio à inovação das fintechs.

Fintechs podem trazer benefícios, como acesso mais amplo a serviços financeiros, bancos mais personalizados e taxas mais baratas para os clientes, segundo o relatório. Os bancos também estão respondendo à concorrência das fintechs com lançamento de produtos bancários móveis e se tornando mais eficientes.

Os riscos incluem os mesmos que os bancos, como ataques cibernéticos, não cumprimento das regras de privacidade de dados e falhas em tecnologia da informação (TI).

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!