Sem Previdência, BofA espera por novo rebaixamento de rating – Exame

A relação dívida/PIB subiu de 70% em 2016 para 74% no ano passado, ressalta o BofA

Por Estadão Conteúdo

access_time 19 fev 2018, 17h03

São Paulo – O ritmo de crescimento da dívida pública deve se reduzir, mas se nada for feito, a trajetória de piora da relação entre o endividamento do governo e o Produto Interno Bruto (PIB) vai prosseguir e superar em breve os 80% na maioria dos cenários traçados, avalia o Bank of America Merrill Lynch (BofA).

Se a reforma da Previdência não for aprovada, o banco norte-americano prevê que as agências de rating Moody’s e a Fitch podem rebaixar a nota soberana brasileiro, seguindo o movimento da S&P Global Ratings, que em janeiro cortou a nota do País em um nível.

A maior expansão da economia brasileira, que contribui para a elevação da arrecadação do governo, os juros mais baixos e a redução do déficit primário devem contribuir para um menor ritmo de expansão da dívida pública, ressalta relatório do BofA, assinado pelos economistas David Beker e Ana Madeira.

“Contudo, a sustentabilidade de longo prazo da dívida depende de medidas fiscais adicionais, das quais a mais importante é a reforma da Previdência”, ressaltam eles, destacando que a probabilidade de aprovação das medidas que mudam a aposentadoria no Congresso é “baixa”.

A relação dívida/PIB, um dos indicadores da solvência de um país e um dos números monitorados de perto pelas agências de rating, subiu de 70% em 2016 para 74% no ano passado, ressalta o BofA. Dependendo do ritmo de crescimento do PIB e da Selic, pode ultrapassar os 80% já em 2019 e superar os 90% a partir de 2022. Em 2017, a dívida pública atingiu R$ 3,6 trilhões ante R$ 3,1 trilhões do ano anterior.

Sem uma estabilização da dívida do governo, pode demorar “vários anos” até que o Brasil consiga recuperar uma melhor classificação de grau de investimento. A possibilidade maior é que a classificação de risco piore ainda mais se o ajuste fiscal não avançar.

“A Moody’s e a Fitch têm uma perspectiva negativa para o rating do Brasil e ainda precisam anunciar uma decisão. Não há um claro ‘timing’ para a revisão, mas uma rejeição da reforma da Previdência pode desencadear um rebaixamento”, ressalta o relatório do BofA.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!