Juros futuros ampliam queda na reta final e fecham nas mínimas – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam em queda ao longo de toda curva a termo nesta terça-feira (20) destoando do desempenho negativo do câmbio, mantidas as boas perspectivas para o cenário de inflação e Selic nos próximos meses como pano de fundo para justificar a queda nos prêmios de risco. A agenda de indicadores não teve destaques e as medidas anunciadas pelo governo após retirar da pauta a reforma da Previdência foram recebidas com neutralidade.

Boa parte das principais taxas terminaram a sessão regular nas mínimas. A do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,575%, de 6,590% na segunda-feira no ajuste, e a do DI para janeiro de 2020 encerrou na mínima de 7,62%, de 7,67% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2021 também terminou na mínima, a 8,57%, de 8,63% ontem. A taxa do DI para janeiro de 2023 caiu de 9,51% para 9,47% (mínima).

As taxas começaram o dia pressionadas para cima em função do avanço do dólar ante o real e também do rendimento dos Treasuries, mas descolaram desses fatores a partir da tarde, após o começo da sessão em Wall Street. Passaram a segunda etapa dos negócios em queda, renovando mínimas, em meio à entrada de fluxo vendedor.

O anúncio do governo de que desistiu oficialmente de votar a reforma da Previdência agora só endossou o que o mercado já tinha nos preços e, por isso, não chegou a influenciar os negócios. Tampouco o risco de rebaixamento das notas de créditos do Brasil pela Fitch e pela Moody’s e de aumento de impostos, após o governo engavetar a reforma, assustou o mercado de juros.

O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), admitiu que o texto não foi aprovado por causa do ambiente eleitoral e disse não ver possibilidade de votar reforma por medidas infraconstitucionais.

O gestor de renda fixa da AQ3 Asset, Fernando Aldabalde, afirma que, dados os sinais de inflação baixa e crescimento das apostas em mais um corte da Selic, para 6,50% em março, a curva traz boas oportunidades de ganho para o investidor. “Hoje não tem nada muito específico. Temos o mercado ainda ponderando a inflação mais baixa e aumentando chance de corte de 25 pontos-base na Selic, num ambiente externo muito construtivo e de baixa volatilidade”, disse.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!