Justiça discute licenças de usinas da Coogerva – Jornal do Comércio

O imbróglio envolvendo o licenciamento dos projetos das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Linha Aparecida e Linha Jacinto da Cooperativa de Geração de Energia Rio da Várzea (Coogerva) deve ser resolvido em Brasília, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ou pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A projeção é do presidente da Coogerva, Elemar Battisti, que calcula que o tema chegará às últimas esferas da Justiça.

O problema surgiu no momento em que os empreendimentos não tiveram as suas licenças ambientais de instalação renovadas pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). A Coogerva conquistou os licenciamentos em 2011, mas, em 2014, quando tentou renovar os documentos, o pedido foi negado. O órgão ambiental decidiu que o rio da Várzea, onde seriam construídas as usinas, no Norte do Estado, deveria ficar livre de barramento, por causa do impacto que essa obra causaria no peixe Dourado. O Ministério Público Estadual também impôs restrições aos complexos.

Hoje, a questão já está sendo tratada na 10ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, contudo Battisti reitera que a perspectiva é que o assunto se estenda até as mais altas cortes. “Nós vamos até o fim, é uma obra que queremos muito fazer”, adianta o dirigente. As PCHs venderam a energia a ser gerada em leilão realizado pelo governo federal e, conforme o contrato firmado, deveriam estar fornecendo essa eletricidade desde janeiro.

A cooperativa está informando à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) todos os passos que estão sendo dados. Apesar do dirigente ressaltar que o atraso na implantação das usinas fuja à vontade da Coogerva, Battisti admite que há uma grande preocupação quanto à uma possível penalidade imposta pelo órgão. Uma eventual multa representaria um impacto de grandes proporções, já que a Coogerva agrega quatro cooperativas (Creluz, de Pinhal; Coprel, de Ibirubá; Certel, de Teutônia; e Cooperluz, de Santa Rosa), envolvendo cerca de 154 mil associados.

As PCHs a serem instaladas no rio da Várzea são orçadas em R$ 236 milhões. As duas usinas juntas teriam uma capacidade instalada de cerca de 43 MW (o que corresponde a um pouco mais de 1% da demanda média de energia do Estado), podendo chegar até 45 MW como uma geração adicional. O canteiro de obras deveria gerar 600 empregos. A Coogerva já desembolsou cerca de R$ 20 milhões para o desenvolvimento dos projetos e aquisição de terras.

Como medidas compensatórias, a cooperativa doou à comunidade indígena do rio da Várzea uma balsa para a travessia entre Rodeio Bonito e Liberato Salzano e um ginásio esportivo. Battisti informa que, se esgotando a possibilidade de recursos para executar a obra, um objetivo será buscar a indenização pelos valores aportados.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!