Bolsas europeias operam em baixa na esteira de NY e à espera da ata do Fed – Jornal do Comércio

As bolsas europeias operam em baixa generalizada nesta manhã de quarta-feira (21), contaminadas pelo tom negativo dos mercados acionários de Nova Iorque, mas também repercutindo indicadores econômicos e balanços de empresas relevantes da região e à espera da ata de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

Ontem, em Wall Street, tanto o Dow Jones quanto o S&P 500 caíram pela primeira vez em sete pregões, depois que o gigante varejista Walmart divulgou resultados trimestrais decepcionantes. Apenas a ação do Walmart sofreu um tombo de mais de 10% em Nova Iorque.

Mais tarde, às 16h (de Brasília), investidores ficarão atentos à ata da reunião de janeiro do Fed, em busca da avaliação do BC americano sobre pressões inflacionárias e as mudanças recentemente feitas na legislação tributária dos EUA. No mês passado, o Fed manteve seus juros básicos inalterados, mas não ofereceu qualquer indício que pudesse desfazer expectativas de que ao menos três elevações ocorrerão este ano se a economia continuar progredindo como se espera.

“Os mercados estão particularmente sensíveis à inflação e achamos que são grandes as chances de que a ata reforce a narrativa de que a inflação ganha força”, comentou Elsa Lignos, chefe global de estratégia cambial do RBC Capital Markets, em nota a clientes.

No começo do mês, preocupações com o avanço da inflação nos EUA e temores de que o Fed eventualmente acelere o ritmo de aperto de sua política monetária levaram as bolsas de Nova Iorque a registrar quedas históricas, movimento que pressionou fortemente as ações globais.

No campo macroeconômico, destaque hoje para o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro, que caiu para 57,5 em fevereiro, mas manteve-se em nível elevado após tocar no mês anterior o maior patamar em mais de 11 anos. A leitura acima de 50 indica que a atividade no bloco continua em expansão este mês, ainda que em ritmo mais comedido.

Já no Reino Unido, a taxa de desemprego teve uma alta inesperada pela primeira vez em quase dois anos no trimestre até dezembro, para 4,4%. A previsão de analistas era de manutenção da taxa em 4,3%.

Apesar do mau humor nas bolsas na Europa, algumas ações se destacam positivamente na esteira de balanços animadores. É o caso da Glencore, cujo papel subia mais de 4% em Londres, depois que a mineradora anglo-suíça divulgou um salto no lucro de 2017, para o valor recorde de US$ 5,78 bilhões. E também do banco britânico Lloyds, que avançava quase 2% no mercado inglês, após anunciar alta de 43% no lucro do ano passado, a 3,46 bilhões de libras.

Por outro lado, a companhia elétrica Iberdrola tinha queda de 3,5% em Madri depois de revelar que seu lucro caiu quase pela metade no último trimestre de 2017.

Às 8h25min (de Brasília), a Bolsa de Londres caía 0,14%, enquanto a de Paris recuava 0,42% e a de Frankfurt perdia 0,81%. Entre mercados europeus considerados periféricos, Madri, Milão e Lisboa tinham baixas de 1,10%, 0,85% e 0,21%, respectivamente. No mercado de câmbio, o euro se enfraquecia a US$ 1,2320, e a libra seguia a mesma direção, cotada a US$ 1,3925.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!