Brasil ganhou mais de cinco mil milionários em 2017 – Jornal do Comércio

O número de milionários no Brasil cresceu em 2017. Só no ano passado, 5.385 pessoas passaram a ter mais de R$ 1 milhão investidos no País, o que representa um aumento de 4,8% em relação ao ano anterior. Ao todo, o país conta com 117.421 investidores nesse patamar.

Esse grupo é atendido pelo segmento de private banking e tem aplicados R$ 964 bilhões. Esse numero equivale a 36% de todo o investimento de pessoas físicas no Brasil, que totalizou em dezembro R$ 2,658 trilhões, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

“O volume de recursos desse público cresceu 15,9%. É um crescimento bastante robusto e foi acima da média do CDI do período. A previdência privada manteve a sua expansão, mas também tivemos um crescimento grande dos fundos, em especial o de ações”, afirmou João Albino, presidente do comitê executivo de private banking da Anbima.

Esses clientes estão divididos em grupos econômicos, na prática, é o termo que os bancos usam para se referir à administração de recursos de uma mesma família. Ao todo são 56.619 grupos econômicos e a média de aplicações é de R$ 17 milhões.

“Para 2018, estamos otimista com a retomada da economia. A indústria de private cresce com bons momentos econômicos. Devemos ter mais aberturas de capital, fusões e aquisições e distribuição de dividendos maiores, o que ajuda (na criação de valor para os investidores)”, avaliou.

Mas não foi só entre os milionários que houve crescimento em recursos aplicados e novos investidores, os segmentos de varejo tradicional e alta renda (em geral, renda acima de R$ 10 mil) também apresentaram expansão no ano passado, que totalizaram R$ 1,694 trilhão em investimentos, expansão de 9,5%.

Assim como no private, o varejo também viu um crescimento maior dos fundos de investimento, com busca de alternativas de maior risco, como ações e multimercados. Os recursos, no entanto, estão concentrados na caderneta de poupança, que responde por mais de um terço do total investido.

“A tendência com a Selic menor é a busca por produtos de maior risco, como os fundos ativos, que podem ser multimercados ou de ações. Vemos também um crescimento de papéis como os certificados de recebíveis imobiliários e agrícolas (CRIs e CRAs) e as debêntures incentivas. Há isenção fiscal, mas o risco é do emissor. Mas não vamos esquecer da poupança tradicional, que é sempre opção do cliente do varejo tradicional mais conservador”, explicou José Rocha, presidente do comitê de varejo da Anbima.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!