Cobre opera em queda, pressionado pela força do dólar – Jornal do Comércio

O cobre opera com sinal negativo na manhã desta quarta-feira (21), quando o dólar mais valorizado gera pressão vendedora em boa parte do setor de metais.

Às 9h (de Brasília), o cobre para três meses recuava 0,3%, a US$ 7.055 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para março tinha baixa de 0,45%, a US$ 3,1760 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 9h15.

“Com o dólar avançando mais, os metais básicos seguem sob pressão, mesmo que com um volume baixo de negociações”, afirmou em nota Alastair Munro, da Marex Spectron. Os volumes são mais baixos porque a China, maior consumidor de metais do mundo, continua a celebrar o ano-novo lunar. As operações na China serão retomadas nesta quinta-feira.

Os ganhos recentes do dólar têm pressionado os metais básicos há alguns dias, mas os preços poderiam se recuperar diante de investimentos especulativos e também da força de alguns fundamentos do setor.

Executivo-chefe da BHP Billiton, Andrew Stewart Mackenzie sinalizou que há uma crescente demanda por cobre no mercado de veículos elétricos. Segundo ele, a BHP pretende se concentrar em aumentar a produção de cobre.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco recuava 0,42%, a US$ 3.536 a tonelada, o alumínio caía 0,46%, a US$ 2.177 a tonelada, o estanho tinha ganho de 0,19%, a US$ 21.430 a tonelada, o níquel subia 0,26%, a US$ 13.555 a tonelada, e o chumbo recuava 0,62%, a US$ 2.572 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!