Governo descarta meta de alcance da internet e reconhece limites – Jornal do Comércio

O governo brasileiro não trabalha mais com meta de alcance do acesso à internet nos lares brasileiros, mas reconhece a necessidade de reduzir as discrepâncias regionais e socioeconômicas, segundo Artur Coimbra, diretor do departamento de Banda Larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC).

Cerca de um terço dos lares brasileiros ainda estavam desconectados em 2016, apontou um levantamento divulgado nesta quarta-feira, 21, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O montante equivale a 21,2 milhões de residências desconectadas, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016: acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal (Pnad Contínua – TIC 2016).

Os principais motivos listados para não usar a Internet na residência foram falta de interesse (34,8%), custo alto do serviço (29,6%) e desconhecimento dos moradores sobre como navegar na rede (20,7%). Segundo os pesquisadores do instituto, tanto o desconhecimento sobre o uso da internet quando a falta de interesse têm influência do baixo nível de escolaridade e idade avançada da população.

“Havia uma meta oficial para 2014 de 35 milhões domicílios com acesso à internet no Brasil, chegamos 36,9 milhões. Agora não há nenhuma meta oficial a ser batida ou superada. Os números são bons. Claro que não estamos plenamente satisfeitos, temos preocupação de expandir isso aos números que a gente verifica em países desenvolvidos. Mas se a gente olha o grupo de países em desenvolvimento no mundo, ou o grupo de países de renda e população em posição próxima à do Brasil, a posição do País é boa”, avaliou Coimbra.

Em 2016, 48,1 milhões de lares tinham acesso à internet. Segundo Coimbra, os dados são comparáveis ao de países do centro-leste europeu, como Romênia, Rússia, Polônia e Montenegro. “O Brasil está muito alinhado a esse grupo de países, se descolando do restante do grupo de países em desenvolvimento”, disse ele.

Ainda assim, a proporção de desconectados no País ainda ultrapassava um terço da população naquele ano. Cerca de 65,3 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade não utilizaram a internet em 2016 (35,3% do total), ou por que não sabiam usar (37,8%), ou por falta de interesse (37,6%), ou por considerar o serviço caro (14,3%).

“Quando a gente foca especificamente a juventude, como a juventude está em relação ao uso da internet, a gente vê que, no Brasil, o IBGE identificou que 85% dos jovens de 18 a 24 anos fazem uso da internet. Esse número é extremamente comparável ao número que a gente verifica nos 20 países mais desenvolvidos do mundo”, relativizou o diretor do MCTIC. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!