Vidroforte tem pedido de de recuperação judicial aceito – Jornal do Comércio

Com passivo declarado na ordem de R$ 46,4 milhões, o grupo Vidroforte, de Caxias do Sul, obteve deferimento ao seu pedido de recuperação judicial. A medida deliberada no âmbito do 1º Juizado da 5ª Vara Cível da Comarca de Caxias do Sul inclui as oito empresas do grupo, que atua no fornecimento de vidros para a indústria automotiva e construção civil. As operações estão localizadas em Caxias do Sul (RS), Três Cachoeiras (RS), São Paulo, Pará de Minas (MG), Cascavel (PR) e Goiânia (GO). O pedido de recuperação ingressou na Justiça em 26 de janeiro por meio dos administradores Eduardo e Herberto Heinen, irmãos e sócios da empresa.

No despacho, a juíza Zenaide Pozenato Menegat destaca razões apresentadas para o pedido da recuperação judicial. Os administradores relatam que nos últimos anos o grupo entrou em processo de crise e instabilidade econômico-financeira, tendo como principais causas a crise econômica nacional, determinante de crise setorial, em decorrência da elevação do custo financeiro, da redução das linhas de financiamento e elevação da estrutura de custos. A situação se refletiu em queda nas vendas, diminuição do fluxo de caixa e aumento do endividamento, especialmente junto a instituições financeiras.

A juíza nomeou o advogado Laurence Bica Medeiros como administrador judicial. Também determinou a suspensão, a partir do deferimento do pedido, de todas as ações e execuções que houver contra o grupo, pelo prazo máximo de 180 dias. A empresa deverá publicar edital, no órgão oficial, contendo o resumo do pedido inicial e da decisão judicial, a relação nominal dos credores, com discriminação do valor atualizado e a classificação de cada crédito e, ainda, a advertência aos credores (declarados ou não pelas devedoras) acerca do prazo de 15 dias, a contar da publicação do edital, para as habilitações. O plano de recuperação deverá ser apresentado em 60 dias, contados a partir da decisão judicial.

A Vidroforte é mais uma empresa que atua no segmento automotivo a unir-se a outras que já estão a mais tempo na condição de recuperandas. Dentre elas, estão o Grupo Voges, a Siderúrgica Tomé, a Irmãos Amalcabúrio (todas de Caxias) e Fundição Farina, de Bento Gonçalves. A situação mais emblemática é da Guerra S.A., segunda maior fabricante de implementos rodoviários do País. Sem êxito nas várias tentativas de aprovação do plano de recuperação judicial, houve decretação da falência em novembro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!