‘Crise já faz parte de um passado pré-histórico’, diz presidente da Volkswagen – Jornal do Comércio

Montadora que enfrentou a maior queda nas vendas durante a crise econômica no Brasil, a Volkswagen tem se mostrado otimista quanto ao desempenho do mercado nacional em 2018 e nos próximos anos. “A crise já faz parte de um passado pré-histórico”, afirmou nesta quinta-feira (22), o presidente da empresa para a região da América do Sul, América Central e Caribe, Pablo Di Si, antes de participar de evento de lançamento da nova versão da picape Amarok, na capital paulista.

“Desde o segundo semestre do ano passado, as notícias são de retomada, os resultados estão melhores e a tendência é de alta”, acrescentou, dessa vez no discurso que marcou o lançamento do carro. “Em 2017, o mercado já apresentou crescimento nos volumes de produção, vendas e exportação. Em 2018, está claro o início de uma retomada, o retorno da indústria automobilística para um ciclo positivo”, afirmou também.

O executivo citou que, como um primeiro sinal de 2018 será um ano de crescimento mais robusto, as vendas em janeiro cresceram 22% em relação a igual mês do ano passado, no segmento de veículos leves. O resultado parcial de fevereiro, segundo ele, aponta queda de 2% em relação a igual intervalo de fevereiro do ano passado, mas o desempenho deste ano é prejudicado pelas datas do carnaval. A projeção do executivo para o mês fechado é de crescimento de 18% a 20%. Para o ano inteiro, é de expansão de 15%.

O presidente da empresa também comentou a indefinição em torno de Rota 2030, política do governo para o setor automotivo que deveria ter entrado em vigor no dia 1 de janeiro deste ano, no lugar do Inovar-Auto, que expirou no dia 31 de dezembro de 2017. Segundo ele, independentemente do que aconteça com o Rota 2030, os investimentos anunciados pela Volkswagen, que são de R$ 7 bilhões até 2020, não serão afetados.

O atraso do Rota 2030 se deve a divergências no governo sobre como deverá ser a tributação dos carros, de modo a gerar um incentivo fiscal de R$ 1,5 bilhão para as montadoras. Apesar de garantir que os investimentos da Volkswagen não serão afetados, o executivo disse que o lançamento do programa é importante para gerar ganhos tecnológicos para o setor no Brasil, como ocorreu no período do Inovar-Auto.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!